Defesa & Geopolítica

OS PRINCIPAIS RISCOS DO EURASIA GROUP PARA 2019

Posted by

 

  Ian Bremmer e Cliff Kupchan revelam os dez principais riscos para 2019. 

Autor- Ian e Cliff

Fonte: Eurasia Group

Esta é a previsão anual do Grupo Eurasia sobre os riscos políticos que provavelmente acontecerão ao longo do ano. O relatório deste ano foi publicado em 7 de janeiro de 2019.  Em resumo disponibilizamos os principais tópicos levantados pelo relatório, para ler o conteúdo completo em inglês, Clique aqui para ler o relatório completo Top_Risks_2019_Report.

Segundo o relatório:

O ambiente geopolítico é o mais perigoso das últimas décadas … Os mercados estão cada vez mais voláteis, mas resilientes, apresentando progresso e saltos para trás. O que há errado neste cenário? 

Nada ainda. Os ciclos geopolíticos são lentos. Demoram muito tempo para construir uma ordem geopolítica; os governos mudam de rumo através do funcionamento de instituições complexas, políticas de coalizão, ciclos eleitorais, freios e contrapesos. Instituições multilaterais levam décadas para construir e ganham ímpeto lentamente. Normas e valores precisam se desenvolver, ser aceitos e moldarem instituições e a sociedades ao longo do tempo. Uma vez no lugar, eles são pegajosos. E assim, salvo a má sorte (leia-se: uma crise repentina e imprevista), levam anos, até décadas, para derrubar uma ordem geopolítica. Esse processo de erosão está em andamento em todo o mundo hoje.
Claro, 2019 pode vir a ser o ano em que o mundo desmorona. Os riscos  criados por maus atores infligindo danos que, em seguida, criam um ciclo de crescimento são maiores do que foram em qualquer momento desde o lançamos o Eurasia Group em 1998. Um ciberataque russo fica fora de controle. O Irã e a Arábia Saudita (ou Israel) desencadeiam uma guerra no Oriente Médio. Os chineses e os americanos entram em uma guerra comercial que causa de uma recessão profunda, culpam uns aos outros e retaliações se espalham pelo espaço cinético. Existem outros riscos de escala similar. Mas, por enquanto, todos esses eventos permanecem de baixa probabilidade.
Mais provavelmente, e apesar das manchetes cada vez mais preocupantes, 2019 está prestes a ser um ano razoavelmente bom. Mesmo, ousamos dizê-lo, não um ano particularmente politicamente arriscado. Mas estamos nos preparando para problemas no caminho. Grandes problemas. E esse é o nosso maior risco.
 

  1. MAS SEMENTE

Os perigos geopolíticos que tomam forma ao redor do mundo darão frutos nos próximos anos.

  1. EUA-CHINA

Algo fundamental foi rompido na relação entre Washington e Pequim que não pode ser restabelecida, independentemente do que acontece com seus laços econômicos.

  1. LUVAS CIBERNÉTICAS DESLIGADAS

Os hackers se tornaram mais sofisticados, as sociedades tornaram-se altamente dependentes dos serviços digitais e os esforços para chegar a um acordo sobre as regras básicas do conflito cibernético não chegaram a lugar nenhum.

  1. POPULISMO EUROPEU

2019 mostrará que os populistas e os movimentos de protesto estão mais fortes do que nunca.

  1. OS EUA EM CASA

Enquanto as probabilidades de que Trump sofra impeachment e seja afastado do cargo permaneçam extremamente baixas, a volatilidade política será excepcionalmente alta.

  1. INOVAÇÃO INVERNO

Estamos caminhando para um inverno de inovação global – uma redução impulsionada politicamente no capital financeiro e humano disponível para impulsionar a próxima geração de tecnologias emergentes.

  1. COALIZAÇÃO DO DESWILLING

A ordem global liderada pelos EUA tem estado em erosão há algumas décadas, mas agora estamos vendo as fileiras crescentes de uma coalizão de líderes mundiais pouco dispostos a defender a ordem liberal global, com alguns até inclinados a derrubá-la.

  1. MÉXICO

O novo presidente do país, Andres Manuel López Obrador, inicia seu mandato com um grau de poder e controle sobre o sistema político não visto no México desde o início dos anos 90 e os fatores de risco domésticos são grandes.

  1. UCRÂNIA

O confronto de novembro no estreito de Kerch foi uma prova das tensões que se aproximavam. Putin continua a ver a Ucrânia como vital para a esfera de influência da Rússia.

  1. NIGÉRIA

A Nigéria enfrenta sua eleição mais disputada desde a transição para a democracia em 1999.

* BREXIT

Por que o asterisco? Porque três anos após a votação, quase todos os resultados do Brexit continuam possíveis.

RED HERRINGS

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pode ser nacionalista, mas as instituições do país não permitirão qualquer centralização perigosa do poder. O príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman fez muitos inimigos, mas nem ele nem o reino enfrentam sérios riscos em 2019. A necessidade do Irã de suportar as sanções dos EUA protegendo as relações com a Europa limitará sua agressividade. A suspeita e a concorrência restringirão a cooperação da Rússia e da China.

CONCLUSÃO

Já se passaram 21 anos desde que começamos o Eurasia Group e passamos juntos pela nossa participação nas mudanças globais. Tomando um momento para olhar para trás, lembramo-nos de nosso começo modesto, pessoalmente e como organização, e de quanto é um privilégio ter seu apoio.

Obrigado por fazer parte da nossa comunidade. Agradecemos e desejamos a você apenas o melhor para 2019.

 

Clique aqui para ler o relatório completo Top_Risks_2019_Report

One Comment

  1. Bom dia a todos;

    Interessante análise, acredito que os riscos existem e estou até mais apreensivo que o Ian e o Cliff, acho que 2019 não será um ano tão bom assim e poderá ser um catalizador para grandes mudanças que ocorrerão de forma mais drásticas (maior velocidade).

    Grande abraço;

shared on wplocker.com