Categories
Estados Unidos Geopolítica Geopolitica

AO VIVO - ENCONTRO DE TRUMP e KIM JONG UN - HISTÓRICO !

https://www.youtube.com/watch?v=52gywx8SlwQ

 

Categories
Uncategorized

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) cobra indenização da Taurus por panes em armas da Polícia Civil

Pistola Taurus 640 PRO .

ANA MARIA CAMPOS

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) cobra na Justiça uma indenização de R$ 11.656.223,90 da empresa Forjas Taurus S/A, fornecedora de armas de fogo para a Polícia Civil do DF.

Desse montante, R$ 10 milhões se referem a um dano moral coletivo pelo perigo que esse armamento com defeito de fabricação representa à população do DF.

Os promotores levaram em conta perícia do Instituto de Criminalística e várias ocorrências registradas por policiais civis com relatos de panes graves nas pistolas fornecidas pela Taurus.

Hoje as cerca de cinco mil armas usadas pela PCDF foram fabricadas pela empresa que detém uma espécie de reserva do mercado brasileiro nos órgãos de segurança pública. Apenas excepcionalmente o Exército Brasileiro autoriza a compra de armas produzidas por empresas estrangeiras.

A ação se refere a um lote com 750 unidades, sendo 100 do modelo PT 100 Plus; 250 do tipo PR 24/7 PRO DS; e 400 PT 640 SA/DA, ao custo de R$ 1,6 milhão, em abril de 2014.

O problema principal é o risco de disparos acidentais em quedas das armas. Testes mostraram que essa possibilidade é grande, o que coloca em xeque a integridade do policial e dos cidadãos de bem que podem ser alvo de uma bala perdida justamente das armas que deveriam protegê-los.

Taurus 24/7

Há também o chamado efeito chaminé, quando o cartucho fica preso no cano da pistola ou o disparo frustrado, quando a arma nega fogo.

O MPDFT aponta que o contrato da Taurus com a PCDF prevê que os armamentos sejam providos de um mecanismo contra disparos acidentais, mas esse item de segurança não está disponível, mesmo com a trava manual acionada.

A ação é assinada pelos promotores de Justiça Rodrigo Bezerra e Marcel Bernardi, do Núcleo de Investigação e Controle Externo da Atividade Policial (Ncap), e Eduardo Gazzinelli e Marcelo Barenco, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social do DF (Prodep).

O MPDFT não é o único preocupado com a qualidade das armas fornecidas pela Taurus. O assunto é tratado em vários estados justamente pelos diversos problemas detectados com as pistolas de uso de policiais civis e militares.

PT 100

Executivos da Taurus vão responder criminalmente
Em outra frente, os promotores de Justiça pedem a condenação criminal de seis executivos da Taurus à época do contrato fechado com a Polícia Civil do DF.

Eles foram denunciados pelos crimes previstos na Lei 8137/90, de induzir o consumidor ou usuário a erro, por via de indicação ou afirmação falsa ou enganosa sobre a natureza, qualidade do bem ou serviço, utilizando-se de qualquer meio, inclusive a veiculação ou divulgação publicitária; e vender, ter em depósito para vender ou expor à venda ou, de qualquer forma, entregar matéria-prima ou mercadoria, em condições impróprias ao consumo. As penas variam de dois a cinco anos de detenção, mais multa. A ação tramita na 8ª Vara Criminal de Brasília.

PCDF vai comprar 3 mil novas armas
Em outra frente, o Ministério Público do DF encaminhou ao diretor-geral da Polícia Civil do DF, Eric Seba, uma recomendação para que as armas usadas pela corporação sejam substituídas por modelos mais eficientes que não coloquem vidas em risco.

Ao Correio,  Seba explicou que há realmente relatos de panes, especialmente da pistola modelo 24/7. Mas a Polícia Civil está promovendo uma licitação internacional para compra de três mil armas de fogo.

O processo já recebeu autorização do Exército e deve ser concluído até o fim do ano. Com essa licitação, empresas estrangeiras poderão disputar o contrato. A PCDF destinou R$ 9 milhões para essa aquisição.

Fonte: Correio Braziliense.

Categories
Uncategorized

IMBEL realiza reunião comercial com a empresa chinesa NORINCO

 

No dia 29 de maio, a empresa China North Industries Corporation (NORINCO) compareceu à Sede da IMBEL no QG do Exército em Brasília-DF, para apresentar seu vasto portfólio de produtos de defesa e buscar parcerias com a IMBEL. A comitiva da NORINCO, composta pelos Sr Li Wenjie, Diretor- Geral, Wong Junqi, Vice-Presidente do Instituto da Indústria Militar da China, Wu Siming, Gerente Comercial, He Qigge, Representante Comercial, Walter Haddad, Diretor da NORINCO Brasil e Cel R1 Paulo, foi recepcionada nas instalações da Sede – BSB pelo Vice-Presidente Executivo da Empresa, Gen Valdetaro, diretores e assessores, e por representantes do Gabinete do Comandante do Exército e das 4ª e 5ª Subchefias do Estado Maior do Exército (EME). A programação constou de apresentações institucionais das duas empresas, de uma exposição de produtos IMBEL e de uma rodada final de discussões na qual foram levantadas algumas possibilidades comerciais.

A NORINCO é pioneira e líder do comércio militar chinês, sendo um dos seus objetivos, reforçar a sua presença no mercado de defesa mundial, expandindo suas operações para mercados emergentes como os da América Latina, Ásia e África. O conglomerado estatal chinês produz múltiplas soluções de defesa com destaque para equipamentos e sistemas de apoio de fogo, de comunicações, de suporte às operações logísticas, de detecção, além de blindados, munições convencionais e inteligentes e armas de pequeno porte.

Do encontro envolvendo as duas estatais foi possível identificar tecnologias de interesse para as Forças Armadas do Brasil e de possível aproveitamento pela IMBEL para o desenvolvimento de novos produtos, principalmente munições pesadas.

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil China Defesa Estados Unidos Geopolítica Rússia

Geopolítica não é Fla-Flu e nem lugar pra fanboy

Autor- De leon Petta para o Plano Brasil

Uma das coisas mais comuns de ver nos comentários em notícias, matérias de blogs ou vídeos no youtube que tratam de geopolítica ou assuntos militares é o comportamento obcecado do público. Que na maior parte das vezes acham que o mundo é um grande DC versus Marvel ou um Fla-Flu irritante.

O que não é de se estranhar tendo em vista que mesmo na academia, já que até os “especialistas” frequentemente também se comportam assim, de maneira pouco crítica ou cientifica. De forma geral, ou o pessoal é antiamericano, enxergando um imperialismo decadente, ou são antirussos vendo na Rússia um comunismo falido (sim, ainda tem gente que acha que a Rússia é comunista), ou uma China produtora de porcarias xing ling de baixa qualidade e com os dias contados.

A coisa é muito mais complexa e por isso não se trata de torcer para esse ou aquele país, mas quando falamos em Geopolítica global, sinto informar mas o futuro do mundo (ao menos em um médio prazo) será repartido entre Washington, Beijing e Moscou. Cada um com suas limitações e vantagens.

Quando falamos em decadência dos Estados Unidos, por exemplo, há um exagero forte que esquece algo muito importante, a Geografia Norte-Americana. Os Estados Unidos de fato cada vez mais enxergam “bolhas” de poder regionais capazes de desafia-los localmente, mas em termos globais são e serão ainda por muitas décadas uma Superpotência. E por pior que fosse a situação dos Estados Unidos (que não é tão ruim assim), ainda levariam muitas décadas para se perder aquilo que construíram pacientemente ao longo de tantos anos. Além disso, por mais que hajam críticas políticas e embates econômicos, na hora do “vamos ver” eles ainda contam com uma vasta quantidade de aliados em todas as partes do mundo. Aliados que não só estão dispostos a ajuda-los militarmente, mas que também precisam de um Estados Unidos aliado para manter um mínimo de soberania territorial diante de algum rival histórico vizinho. Por exemplo, o caso da Polônia diante da Rússia ou de uma Filipinas diante de uma China.

E isso sem nem entrar nos detalhes assimétricos, como terrorismo e crime organizado, que ameaçam a estrutura de poder estatal em vários países que só se mantém no controle por causa da presença dos Estados Unidos. A geografia dos Estados Unidos, colocando os fisicamente isolados no mundo mas ao mesmo tempo dando acesso aos dois principais oceanos, o Atlântico e o Pacífico, evitam um desgaste excessivo por parte da aura dos Estados Unidos e mais importante ainda, garante ao povo norte-americano o direito de poder escolher seus inimigos.

O caso Russo por outro lado é curioso. Já que desde o fim da União Soviética especialistas apontam de 5 em 5 anos a “inevitável decadência” da Federação Russa, mas lá está ela. Curiosamente muitos especialistas que profetizavam o seu fim, mais recentemente acusam dela de ter uma supercapacidade de interferir em quase todos os processos eleitorais do mundo. Não se decidem, afinal, se a Rússia estaria em decadência ou se são uma superforça capaz de interferir em outros países, inclusive naquele apontado como o maior símbolo de Democracia do mundo, os Estados Unidos.

Desgostos e bipolaridades à parte, a Rússia por mais que não tenha uma projeção global ainda tem uma excelente capacidade regional. Possui um dos exércitos mais numerosos, mais bem equipados, com tradição e coesão, vastos arsenais balísticos e nucleares, mas acima de tudo muita experiência de combate e inteligência. Tanto em experiências herdadas da União Soviética como também aprendidas em confrontos mais recentes na Síria e Leste da Ucrânia. Aliás, no quesito Guerra Hibrida (que será o modelo de guerras no futuro), a Rússia está na vanguarda.

A Geografia Russa por sua vez é dramática, custando para a administração russa um grande quantidade de energia para poder manter a coesão nacional além de uma permanente vigilância sobre seus vizinhos.

A China, por sua vez, longe do que o grande público acredita não é só produtora de produtos porcarias de baixa qualidade. Hoje ela domina a cadeia de produção inteira, produzindo produto barato de baixa qualidade, de média qualidade, de alta qualidade, de luxo e de altíssima tecnologia de ponta. Passaram por radicais modernizações em suas estruturas militares para poder competir com os vizinhos mais avançados. Além de ser hoje dona do maior efetivo militar, terceiro maior frota aérea e naval, além de grandes quantidades de armas nucleares e mísseis balísticos bons.

E conforme sua energia cresce, mais ela consome. Uma economia gigantesca requer também gastos gigantescos, daí sua projeção regional sobre o Sudeste Asiático. Algo que não deve ser subestimado ou visto como “Tigre de papel”, como alguns especialistas rancorosos apontam. Mas uma projeção de forças real, permanente e que sim, regionalmente e no “mano a mano”, poderia bloquear militarmente os Estados Unidos e infringir uma derrota a poderosa Marinha Norte-americana. Algo contudo, que por hora será muito remoto tendo em vista que ainda não há necessidade e nem mesmo disposição.

O que pesa agora contra a china são dois fatores. Primeiro, em contraste com as forças militares americanas e russas, seus soldados e oficiais não são experientes e segundo, ao olhar o mapa os chineses se veem cercados de inimigos (ou pelo menos potenciais inimigos), que formam uma vasta  rede de posições hostis a partir da Índia, na sua fronteira Sudoeste, indo para o Sudeste Asiático, sua fronteira sul e sudeste, chegando no Leste da Ásia com Japão e Coreia do Sul, sua fronteira leste e nordeste.

Por outro lado, suas fronteiras no Oeste e Norte que historicamente sempre serviram de ponte de invasões de “bárbaros” hoje em dia estão seguras. Dando aos estrategistas chineses descanso o suficiente para se concentrar na área que por hora é prioritária, o Sudeste Asiático.

Em resumo, a pauta desses três países é papo de potência e apenas eles três possuem poder suficiente para unilateralmente poder direcionar o futuro do planeta. Ainda que hajam outros países com significante poder e disposição, como Japão, Irã, Índia, França ou Inglaterra, esses demais ainda estão condicionados a atuarem em parceria com alguma dessas três principais forças do mundo hoje, Estados Unidos, China e Rússia. Ou seja, o arranjo de poder global será repartido por esses três países. Qualquer afirmação de decadência de algum desses três agora ou no curto prazo será especulação.

Sobre o Autor:

De Leon é Autor associado ao Plano Brasil e Professor das Faculdades Integradas Rio Branco. Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Com estágio sanduíche na Virginia Commonwealth University (Estados Unidos) e University of Hong Kong (China). Tem experiência na área de Geopolítica e Crime Organizado. 

Categories
Uncategorized

Eurosatory 2018: KMW apresenta seu conceito de Veiculo Blindado Anfíbio

O fabricante alemã  de veículos militares , KMW, revelou pela primeira vez o seu conceito de estudo para um novo veiculo Anfibio o Amphibious Protected Vehicle Tracked (APVT)  no Eurosatory 2018.

Categories
Uncategorized

Mac Jee destaca lançador de foguetes Armadillo TA-2 na Eurosatory 2018

A Mac Jee estará presente na Eurosatory 2018 (Defense & Security International Exhibition), que acontece de 11 a 15 de junho, em Paris (França), destacando o lançador de foguetes Armadillo TA-2. A empresa integra o Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança).
O Armadillo TA-2 é um sistema de lançamento de foguetes operado ou automático, projetado para retrair integralmente em seu veículo durante a fase não ofensiva.
A plataforma de lançamento, patenteada pela empresa, opera em 360º e carrega três módulos, cada um contendo 16 foguetes de 70 mm, totalizando 48 disparos – tendo ainda mais 48 foguetes em um compartimento de recarregamento automático. O desenvolvimento do sistema começou em 2015 e deverá ser finalizado no final deste ano.


O protótipo já está sendo construído e será instalado no veículo da empresa americana AM General, modelo M1152 HMMWV. Após a montagem, o Armadillo TA-2 entra em fase de testes no CAEX (Centro de Avaliações do Exército), no Rio de Janeiro. A expectativa é que o sistema passe a ser produzido em escala a partir de 2020 na nova fábrica da Mac Jee, em Capivari (SP), que terá capacidade para produção de 50 a 100 unidades do sistema.


“Nossa ideia foi criar e patentear um sistema simples, compacto, e que pudesse atender a demanda de carros menores com lançadores de foguetes para as forças armadas”, explica o CEO da empresa, Simon Jeannot.
Atualmente, a Mac Jee prepara novas versões do sistema lançador de foguete: o Armadillo SHORAD e o Armadillo ATGM.