Defesa & Geopolítica

SEGURANÇA PÚBLICA: A Historia do Ossário Mor, o Palácio da Caveira do BOPE.

Posted by

ESCANINHO DE RECORDAÇÕES

  1. Primeira Sede

Corria o ano de 1978. Um velho sonho de um idealista Capitão de Policia Militar , Paulo Cezar Amêndola, finalmente se concretizava.

Através de Proposta oficial do Cap Amêndola , ao então Cmt Geral da PM, Cel EB Sotero de Menes, fora criado o Nu/COE ( Núcleo da Companhia de Operações Especiais), da Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

A principio estrutura mínima, a necessitar de profissionalização , a qual veio com a realização do COESP I/78 ( Primeiro Curso de Operações Especiais), do qual muito me orgulho de haver auxiliado o Cap Amêndola no seu planejamento, bem como atuado exaustivamente como Instrutor de Sobrevivência e Patrulhas Urbana e Rural.

Em breve o efetivo seria composto de Oficiais e Praças , que já traziam suas Manicacas no peito, oriundas de Cursos diversos nas Forças Armadas , Paraquedismo, Guerra na Selva, Comandos Anfíbios e outros, bem como dos concludente dos Primeiros COESP/PMERJ.

Havia um pequeno problema no entanto. Não tínhamos Sede.

Foi quando o Cap Amêndola conseguiu por empréstimo , antigos escombros situados próximos a uma pedreira desativada no limite extremo Norte, da Fazenda dos Afonsos , nosso orgulhoso CPAP 31 de Voluntários, na Av Marechal Fontenele, Bairro Marechal Hermes, Zona norte do Rio.

Eram realmente escombros. Onde tinha telhado não tinha parede, onde tinha parede não tinha telhado. Os banheiros eram totalmente improvisados. Por esforços próprios, em menos de uma semana o local já estava habitável.

Lá nos recolhemos prenhe de felicidade profissional. Nós , nossas armas e nossas tralhas. sem nunca esquecer, também juntos, o casal de Jacarés papo amarelo que daria origem a grande família que hoje folgadamente perambula pela área do CFAP e APM, dando inicio a variadas historias reais e outros tantos mitos urbanos.

Tudo corria bem, até que durante o desenrolar dos primeiros COESP, algumas cruzinhas brancas ou não, começaram a surgir em pequenos cemitérios simbólicos improvisados para manter a tradição aprendida nos Cursos que havíamos intensamente ” ralados”. Significavam apenas os derrotados que haviam pedido para ir embora.

O dono da casa, o Cmt do CFAP , excelente Cmt de Unidade de Ensino e brilhante profissional de policia, mas peito liso, desconhecedor dessa nova cultura profissional, mandou retirar de seu “quintal” os improvisados cemitérios, Cumprimos suas ordens, de tal forma que atendesse aos dois lados. Retiramos de local ostensivo e colocamos em alguns locais misteriosos que só nós conhecíamos, nos limites últimos das terras do CFAP.

Mas não bastou. Começaram a surgir reclamações a respeito barulho do Sino que o aluno desistente tocava de madrugada, das intensas escaramuças ao sons de tiros de festim, das nuvens sempre robustas de cloroaceto fenona ( gás lacrimogêneo) que insistentemente passaram a dominar qualquer centímetro quadrado da grande área. E como não bastasse, durante os testes de luta real dos COESP, passou a incomodar também aos donos da casa , a quantidade de sangue que banhava os corpos suados dos Alunos , em razão de seus narizes quebrados e cortes de Facas de Trincheira , além dos gritos por deslocamentos de ombros , tornozelos, cotovelos etc, etc.

Chegou um ultimatum.

Era hora de desocupar a área.

  1. Segunda Sede.

Nosso Líder, decidia rápido. VVVaaamoos embora. Éééé hooojje. Hoje não, aggoorarara!!!!

Em prazo recorde formamos fila logística indiana e descemos a montanha do CFAP .

Homens, Mesas, Cadeiras, Sacos VO, Redes de Selva, Armamento, Arame farpado, Cordas, Papelada, Barracas, etc e claro o casal de Jacarés.

Amêndola havia conseguido um pouso temporário, em uma pequena formação vegetal nos fundos da então ESFO. E lá montamos nossas Barracas de Campanha. Ali durante um bom tempo foi o ” Lar da Caveira”. Posteriormente o Comando conseguiu o empréstimo de algumas salas no Predio da EsfO. A capacidade combativa e instrucional, bem como o moral da Tropa do Nu/COE, mercê desses percalços , cada vez mais melhoravam.

  1. Terceira Sede

Já estávamos no inicio da década de oitenta

Existia no Bairro de Benfica um enorme , icônico e semi destruído prédio público denominado Ponto Zero. Lá, na época de Negrão de Lima, Carlos Lacerda , operava um organismo de coordenação central de Policia , onde atuavam, Central de Operações , Cadeia Publica, Heliponto de Helicópteros Policiais, etc.

Foi para lá que o Nu/COE foi deslocado. Nessa época ocupavam o mesmo prédio os seguintes organismos: O 16º BPM, cujo Cmt, Cel PM Manhães, se mostrou um bom amigo de nossa Unidade. Posteriormente o 16 foi deslocado para Olaria, e em seu lugar, foi implantado o Nu/22, Núcleo do 22º BPM, o Serviço de Identificação da PC, o Serviço de Recursos Especiais da PC e a DRFA com sua imensa Carceragem , de cujo piso, vazava interminavelmente dejetos e águas servidas em cima de nosso armamento, aquartelados na sala de baixo pois era o único lugar seguro com trancas e fechaduras.

Era um lugar surreal. nos fundos não havia muro. em nossos exercícios diários, bastava pular um pequeno curso d’agua e lá íamos nós cantando hope, hope !!! por dentro das Favelas do Arará e Manguinhos. Nem festim levávamos. Talvez alguns Bastões Policiais. Nunca sofremos qq agressão. Só retornávamos quando o insuportável cheiro de gás oriundo da Refinaria de Manguinhos tornava o local insuportável. Era diferente do CN. Quanto mais ar, vento, brisas procurávamos, mais o gás se fortalecia.

Ali o Nu/COE escreveu páginas operacionais memoráveis.

  1. Quarta Sede.

Já reconhecida oficialmente como Companhia, o Nu/COE viu chegar o momento de ocupar sua quarta sede . era a virada de oitenta para noventa.

Eis que o impoluto e histórico Castelo do Choque, recebe em suas instalações o grupamento que já era conhecido como sendo um dos melhores combatentes urbanos do mundo.

A emoção do BPCHq foi tão grande de receber tais representantes , que , belo dia, uma grande explosão se ouviu em todo Complexo do São Carlos, quando um dos paiós instalados no interior do Aquartelamento foi pelos ares.

Foram momentos de glorias. Ali, através do Ten Cel Paulo Cezar “Bichão”, e do Cmt Geral Cel PM Manoel Elysio dos Santos Filho, a Companhia, já Independente, foi promovida a Batalhão. Virou BOPE ( Batalhão de Operações Policiais Especiais).

Sua saga atingiu o topo. Nu/COE, COE. CIOE, BOPE. Selvvaaa !!!!!!!

Daquela Sede saíram as Operações mais vitoriosas contra a criminalidade violenta, armada com arma de guerra , em nosso Estado.

Ali, as longas madrugadas forjaram decisões de comando que muito orgulhariam os melhores Manuais de Chefia e Liderança em todos o mundo.

Mas não era nosso. Continuávamos hóspedes. Não havia o prazer maior de possuir o metro quadrado no qual colocávamos diuturnamente a sola de nosso coturno e batíamos com vigor a chapa da soleira de nosso Fuzil.

Eis que uma oportunidade surge.

  1. Quinta Sede, a Sede Própria.

Assumi o Comando Geral da Corporação em Junho de 2000. Em Julho chegou através do Cel Josias, Secretario de Segurança Publica (sim, naquela época era Secretaria de Segurança Pública) isto é tinha como missão prover a Segurança de todos, por isso SSP).

A partir de 2007 é que se restringiu a Seseg, isto é , apenas Secretaria de Segurança, portanto deixou de ser publica……… Mas vamos ao assunto, A mensagem era que o Governador Garotinho queria falar comigo pessoalmente, e teria que ser no Palácio Laranjeira , onde residia.

A conversas foi curta. Nas proximidades do portão frontal ele perguntou, Cel, está vendo aquele morro ali ? Sim, eu conheço muito bem Governador é o Tavares Bastos. Já operei ali várias vezes. Pois bem , ele , algumas vezes foi com sua segurança caminhar até o alto daquela comunidade. Um dia ele ensimesmou com o local. Haviam escombros de uma obra paralisada há muitos anos, desde a década de 50. Foi quando após um sonho, ele identificou como sendo o da passagem bíblica de Ezequias, onde caveiras e esqueletos brotavam do chão para se constituírem um grande exercito de combatentes do bem.

Como ele admirava muito o BOPE, e sabia que a Unidade não possuía Sede própria, uniu sonho e realidade e entendeu como missão.

A seguir perguntou-me se eu aceitaria participar também daquela missão, isto é construir sobre aqueles escombros existentes no alto da elevação uma sede nova para o BOPE.

Após narrar para ele, alguns momentos de minha historia vivida desde a criação do BOPE, claro que aceitei.

A partir dai tudo funcionou. Os recursos foram liberados pelo Governo e nossa ” Tropa de Engenharia ” da DGAL abraçou a causa. Em Dezembro de 2000 , a Sede do Palácio da Caveira foi inaugurada , com muito orgulho e emoção.

É importante registrar que, entre centenas de placas e fotos, que adornam suas paredes e colunas, uma semi escondida e semi secreta, conserva nela as palavras código:

” COM A ETERNA GRATIDÃO A DEUS

….E ASSIM NASCEU O QUARTEL DO VALE DOS OSSO SECOS …..”

BOPE

28 de Dezembro de 2000

Selvvvaaa !!!!!!

 

Fonte: Assuntos Militares

 

4 Comments

  1. Pingback: SEGURANÇA PÚBLICA: A Historia do Ossário Mor, o Palácio da Caveira do BOPE. | DFNS.net em Português

  2. Geneson de Gois ha-Sefaradi says:

    Muito admirado do esforços deste, que com determinação, vocação, pulso, visão futurística, persistência não só idealizaram, firmaram uma unidade que orgulha o Brasil. Por outro lado, sinto-me decepcionado com a governança, marcado por incompetência e outros adjetivos mais, que por falta de idoneidade, profissionalismo e vocação, não proveram de imediato planejamento estrutural e material no estabelecimento aos guerreiros.

  3. 1maluquinho 1maluquinho says:

    Contam a historia mas sempre pecam no conteudo.
    FORMARAM O BPAE – Batalhão Policia Atividades Especiais ( os boinas pretas ) todos recem saidos do Exercito. Mataram tantos bandidos que o batalhão não durou um ano,foi extinto.
    Onde era aquartelado na localidade conhecida como ANTIGA INVERNADA DE OLARIA,fundou-se o COE – Compania de Operações Especiais com remanescentes do BPAE,que depois veio a surgir o BOPE.
    Eu nunca ouvi falar de ossario-mor,mas ja ouvi falar de uma sala secreta da Scuderie Detetive Le Cocq que tinha cranios nas quatro paredes ate o teto,para onde eram levados individuos para serem massageados e darem com a lingua nos dentes ou para cerimonias de iniciação de irmãozinhos especiais.
    Ja estive na porta dela trancada e o que tinha la dentro me foi passado a informação.
    Lembram quando mataram muitos policiais em São Paulo e numa noite apareceu homens de costas com camisas pretas com emblema da Le Cocq no jornal nacional e naquela noite mataram mais de 90 bandidos e nunca mais essa onda de crimes se repetiu em São Paulo.
    Nunca ouvi falar de ossario-mor no BOPE a não ser que seja na sede do Batalhão no Catete,

  4. 1maluquinho 1maluquinho says:

    Voces sempre confundem NuCOE que é da Marinha ( fica no Batalão Toneleiros ) com BPAE,que foi o pré-cursor do BOPE.
    Não sei daonde que tiram essa informação.

shared on wplocker.com