Menu
Seções
Blindado soviético ZSU-23-4 Shilka na guerra Síria
16 de novembro de 2017 Conflitos

O exército sírio e os seus tanques estão protegidos por uma “antiga glória” soviética: o sistema ZSU-23-4, também conhecido como Shilka.

 

O Shilka é um sistema antiaéreo instalado em uma base móvel. Apesar de o sistema ter entrado em serviço ainda em 1965, ele foi visto recentemente na Síria apoiando os blindados russos Tu-72M1 e protegendo as forças governamentais sírias.

O Shilka é destinado a eliminar lança-granadas, pessoal inimigo e pequenos veículos blindados. Esta arma também se tornou uma boa solução para neutralizar os carros-bomba de terroristas.

 

É dotado de 4 canhões de 23 mm com cadência de tiro de até 1 mil projéteis por minuto. O seu alcance é de 2 km.

O Shilka foi modificado especialmente para operar no terreno sírio: foi retirado o sistema de radar e liberado espaço para mais munições. Se antes o blindado podia transportar 2 mil projéteis, agora a capacidade se tornou ainda maior.

​Este blindado soviético com mais de 50 anos de idade está desempenhando o mesmo papel na Síria que o dos modernos blindados russos Terminator: apoiar os tanques em combate.

Fonte: Sputnik

Edição: Plano Brasil

 

"9" Comments
  1. Pingback: Blindado soviético ZSU-23-4 Shilka na guerra Síria | DFNS.net em Português

  2. Freguês do A10 desde os anos 80.

    • “O brazileiro é tão infantil que o sonho de viagem é a Disneylândia!”

      Luiz Antônio Gasparetto

    • É mesmo, quantos ZSU-4 foram destruídos pelos A-10?

      Você, como a maioria dos comentaristas sempre deixam vazar o preconceito contra os sistemas russos advindos das publicações inglesas das décadas de 80 e 90, que de maneira proposital degradavam as performances das armas soviéticas, cujas estimativas eram sempre muito abaixo do esperado e daquilo que se sabia. No Brasil, a Abril vivia a publicar estas porcarias.

      No caso do A-10 e dos seu canhão GAU-8, a publicação da Salamander Books apontava que o A-10 teria 3 segundos para atacar um ZSU-4 antes de lhe chegar ao alcance. Pois, informo que o método de ataque a este vetor anti-aéreo jamais empregou tiros de canhão. Frequentemente, nos conflitos dos EUA no Oriente Médio, o dispositivo AA era suprimido pelos vetores dedicados, antes da entrada das aeronaves CAS na área designada.

      Detalhe: este vetor AA, ZSU-4, é aquele de maior sucesso na história das guerras, apenas a USAF tem perdas contabilizadas na casa das centenas, outra força aérea que sangrou muito foi a IDF-AF..
      Apenas isso, caríssimo. Hoje, superado, o ZSU-4 ganha sobrevida como arma dedicada a guerra urbana.

      • Isso sem falar que guerra de verdade foi a que os russos enfrentaram na Chechênia, compare as operações da segunda guerra do Golfo com as da segunda guerra da Chechênia !

        Quando alguns chechenos migraram para o Iraque logo após a tomada em 2003 eles fizeram um estrago nas tropas americanas !

      • Foi um pavor total..

        Menos de uma semana os americanos chegaram em Bagdá.

      • Olha o massacre que os Thunderbolts fizeram com as forças blindadas iraquianas.

        Não seja trouxa césar-relojoeiro-higgins-ily num sei quem…

        etc..

  3. É isso que venho falando a tempos. Um blindado de combate urbano tem que ser com esteiras e não rodas para passar sobre escombros e barricadas, tem que ter um canhão leve no máximo 40 mm. para que não haja grandes quantidades de escombros caindo sobre a via, grau de elevação superior a 70° para poder atingir os andares mais elevados dos prédios mesmos bem ao lado desses prédios e a blindagem está ótima, ao meu ver nesse momento esses ZSU-23-4 adaptados são os melhores blindados de combate urbano, Vejo esse blindado trabalhando sozinho ou mesmo limpando a passagem (área) para os MBTs poderem destruir alvos mais duros

Comentários estão fechados
*