Defesa & Geopolítica

Como as forças especiais dos EUA utilizam aviões humanitários e privados

Posted by

O Pentágono e a comunidade da inteligência dos EUA tentam esconder e tornar secreto ao máximo a realização de operações especiais fora dos EUA e utilizam o serviço de companhias privadas. Às vezes surge a pergunta até que ponto esta prática corresponde às normas do direto internacional.

Junho deste ano foi marcado pelo seguinte escândalo: as forças especiais dos EUA utilizavam a companhia Transoceanic Development, que trabalha com organizações humanitárias, para esconder a sua atividade no Iêmen.

Sob cobertura humanitária

Em março de 2015, na capital iemenita Sanaa, os militantes houthis detiveram o cidadão americano Scott Darden. Depois de seis meses, ele foi liberado após interferência pessoal do sultão de Omã.

No Iêmen Darden chefiava a atividade operacional da companhia Transoceanic Development da Nova Orleães. Esta empresa trabalhava com a logística e transporte de cargas humanitárias de organizações como a Cruz Vermelha e UNICEF (Fundo de Criança da ONU).

Mas, de acordo com The New York Times, Darden também era responsável pela logística das forças especiais americanas, nomeadamente, do destacamento Task Force 48-4.2 no Iêmen. Na altura de seu rapto, neste país do Oriente Médio trabalhavam cerca de 125 assessores militares das forças de operações especiais dos EUA.

O que precedeu a logística privada

Os EUA têm efetuado operações contra a Al-Qaeda (grupo terrorista proibido na Rússia e muitos outros países) no Iêmen no mínimo desde 2009. Eles treinaram unidades locais, forneceram equipamentos e atacaram a partir do ar, principalmente através de drones, porém às vezes também utilizaram mísseis de cruzeiro, como em outubro de 2016.

Em dezembro de 2009, durante a operação Duna de Cobre, cerca de 40 civis foram assassinados por mísseis de cruzeiro quando os americanos atacaram uma povoação de província iemenita com base em uma informação falsa.

Depois do início da operação em grande escala da Arábia Saudita no Iêmen, os navios da Marinha americana foram várias vezes alvo de disparos dos houthis. Depois disso, se verificou que informação falsa pode provocar escândalos internacionais.

Envolvimento de companhias privadas

Em 2007, o equipamento e material militar dos EUA para o Iêmen foi encomendado pela companhia privada Panalpina, em 2008 – pela DHL Global Forwarding.

O envolvimento de companhias logísticas privadas é compreensível do ponto de vista militar. Não é preciso desdobrar para operações de pequena escala toda uma infraestrutura militar, que é grande, lenta e visível, não é preciso destacar aviões e pessoal, se pode evitar a atenção da mídia e da opinião pública.

De qualquer forma, a mistura de cargas humanitárias e militares, ou civis com objetivos militares, provoca muitos problemas — em primeiro lugar para as organizações humanitárias.

Por um lado, prejudica a reputação delas e as relações com as autoridades regionais, por outro – os funcionários das organizações humanitárias e empresas de logística se sentem ameaçados, porque para muitos agrupamentos eles não são voluntários, mas participantes das ações de combate.

Ilia Plekhanov para a Sputnik

Foto: Khaled Abdullah / Reuters – Combatente Houthi protege transferência de ajuda humanitária em Sana, capital do Iêmen em 2015. 

  • Artigo base: The New York Times – Aid Coordinator in Yemen Had Secret Job Overseeing U.S. Commando Shipments – by ADAM GOLDMAN / ERIC SCHMITT

Edição: Plano Brasil

Fonte: Sputnik News

 

6 Comments

  1. A pergunta é … _como os EUA levam armas e mantimento em aviões humanitários e privados para os seus terroristas na Síria ? .

    • Como diria o historiador britânico Eric Hobsbawm a história é a história dos vencedores.

      • Zé Ninguém says:

        E vcs como sempre perdedores por natureza e querendo escrever a história !!!… sorry… 🙂

      • perdedor porque? … por não dar golpe ? … por não respeitar a vontade da maioria ? .. você até parece com aqueles meliantes que dão rasteiras nos outros e depois sai se achando esperto e inteligente por achar que fez algo magnífico em dar golpes e enganar as pessoas .., você é a personificação do malandro brazileiro que achar o que é ser esperto e um vencedor …. é levar vantagem em tudo .. cheerto ( o Gerso na propagando do cigarro ) .
        .
        Existe certas vitórias que são inglória .. sabia ? … ou não ? … más deixa para lá … pessoas como você que se passa por …..( Zé ninguém,Blueyes ) … já se vê que não tem QI evoluído para entender certos valores que se aprende desde o berço …rsrsr .. e nem adianta tentar .. nunca irá entender .. rsrs

      • Zé Ninguém says:

        E antes que me esqueça… Temer manda lembranças e agradecimentos pelo seu voto… 🙂

  2. Lucena, se ele é a personificação do malandro, você é a do analfabeto! Meu Deus do céu! Como é que um indivíduo que se presta a falar idiotices na internet pode cometer tantos atentados à nossa lìngua em um único tópico? BraZileiro???? Santo Deus!!! E esse é só um deles… é realmente um discípulo do Lulladrão! Escrever corretamente para quê, não é? Afinal, se o apedeuta chegou lá sem saber usar o plural, esperar o que dos eleitores do “golpista”? (Sim, não fui eu quem elegeu o Temer, foi você!)

shared on wplocker.com