Defesa & Geopolítica

Alemanha deverá anunciar em breve a decisão de substituir seus antigos sistemas de defesa antiaérea de curto alcance

Posted by

E.M.Pinto

Com informações – Reuters.

Segundo a Reuters, a Alemanha deverá anunciar em breve a decisão de substituir seus antigos sistemas de defesa antiaérea de curto alcance assim preencher uma lacuna que causou preocupação entre os membros da Otan após a anexação da Criméia pela Rússia.

Autoridades militares dos EUA e da Alemanha identificaram no ano passado uma crescente lacuna nas armas de defesa aérea de curto alcance, ou SHORAD, na Europa, incluindo a capacidade de se defender contra um enxame de aviões não tripulados (drones).

“É uma ótima notícia para a Alemanha e para a OTAN que a Alemanha está avançando para aumentar suas defesas aéreas de curto alcance”, disse um oficial militar familiarizado com as necessidades da OTAN.

“A Bélgica e a Eslováquia também estavam procurando aumentar suas capacidades de defesa aérea de curto alcance. A decisão também foi fundamental para melhor integrar as defesas antimísseis em toda a aliança.” disse uma das fontes.

Thomas Karako, colegiado sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, com sede em Washington, disse que há uma crescente demanda por capacidades de defesa aérea e de mísseis para proteger as ameaças aéreas da OTAN e que elas incluem obviamente a Rússia.

“Os países da OTAN estão cientes do desafio integrado da defesa aérea e de mísseis há algum tempo… Nós temos que começar por elee, mas nós não estamos lá ainda.”, disse ele.

A decisão do Ministério da Defesa Alemão é avançar para o programa do sistema de defesa que é avaliado em  € 460 milhões até   com € 2,0 bilhões em novas despesas até 2025. O programa prevê em uma fase posterior o uso de novos lasers e radares que podem ser incorporados a um custo adicional.

Em resposta à Reuters uma fonte do Ministério da Defesa afirmou não oficialmente que há uma condição favorável ao sistema desenvolvido pela Suécia para a Diehl Defense, um fabricante de armas alemão de propriedade privada, que inclui uma variante de seu míssil IRIS-T e um veículo de dupla cabine montado pela Hagglunds Vehicle AB, uma unidade da BAE Systems.

O míssil IRIS-T da Diehl, usado pela Alemanha para seus aviões de combate Eurofighter Typhoon, poderia ser adaptado para lançamento a partir de veículos terrestres com uma mudança de software. A empresa também constrói uma variante do  IRS-T SLS de longo alcance para o programa da Suécia projetado para funções  superfície para ar.

O porta-voz de Diehl não quis comentar sobre a decisão esperada. A Diehl apresentou uma proposta separada para construir um míssil para um sistema de médio alcance de defesa aérea e de mísseis que o governo alemão está avaliando.

Uma vez que a decisão seja finalizada, o Ministério da Defesa mapeará suas necessidades funcionais e concluirá decidindo em maio deste ano, disse a fonte. Isso seria seguido pelo desenvolvimento de uma estratégia de aquisição formal.

As decisões de aquisição do novo equipamento de defesa aérea de curto alcance não são esperadas para antes de 2018 podem ocorrer ainda mais tarde, mas o ministério poderia acrescentar cerca de € 20 milhões ao orçamento da defesa ainda este ano para financiar o trabalho inicial do programa, disseram as fontes.

Os planos atuais exigem que a Alemanha compre novos equipamentos para defesa aérea de curto e curto alcance para todas as 16 unidades existentes, de acordo com uma das fontes.

O fabricante de armas Raytheon Co desenvolve uma alternativa ao sistema Diehl, chamado Network Centric Air Defence System, juntamente com o norueguês Kongsberg Gruppen, que foi vendido para a Noruega, Espanha, Holanda, Estados Unidos, Finlândia, Omã e um país não revelado.

Ambas as fontes afirmaram que as autoridades alemãs apresentaram seus planos para os funcionários da OTAN que aprovaram as movimentações.

A Alemanha está sob pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para aumentar os seus gastos militares e também identificou a defesa antimíssil como uma prioridade no seu livro branco de 2016, atualmente, está trabalhando com os Países Baixos para coordenar melhor as defesas aéreas necessárias à OTAN.

 

One Comment

  1. Finalmente estão saindo da inércia, deixando o vitimismo e caminhando rumo a soberania na defesa de seus interesses. A Alemanha é a quarta maior economia do mundo e mesmo assim possui uma das forças de defesa mais frágeis da Europa se comparada com França e Inglaterra, e isso ocorria devido a dependencia das forças estadunidenses pela OTAN, só que a entrada de Trump mudará bruscamente essa rota tomada ate então, e a modernização dos sistemas anti aéreos e um ótimo primeiro passo.

shared on wplocker.com