Categories
América do Sul América Latina Brasil Defesa Destaques Sistemas de Armas Sugestão de Leitura Tecnologia Vídeo

Fuzil IMBEL IA2 calibre 5.56X45mm é destaque em dois eventos internacionais organizados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva.

article-5

Ghost Especial para o Plano Brasil

O Fuzil IA2 calibre 5.56X45mm fabricado pela  Indústria de Material Bélico do Brasil – IMBEL foi destaque em dois eventos internacionais ministrados recentemente pelo  Centro de Instrução de Guerra na Selva  (CIGS) a 2ª Competição Internacional de Patrulha realizada no período de  entre os dias 15 e 25 de agosto de 2016 que contou com a participação das seguintes Nações : Alemanha, Bolívia, Canadá, China, Colômbia, Guiana, México, Siri Lanka, Timor Leste e Venezuela e o Estágio Internacional de Operações na Selva (EIOS) realizado entre os dias 12 de setembro e 14 de outubro de 2016. O estagio contou com a participação de mais de quinze países (Canadá, Estados Unidos da América, China, Japão, Bolívia, Polônia, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Índia, Sri Lanka, Nigéria, Guiana, Vietnã e Portugal ).

article-13

II Competição Internacional de Patrulha

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=sBMDz5UisFA[/embedyt]

Em ambos os eventos foram utilizados como armamento padrão o Fuzil IA2 5.56X45mm (Fz Ass 5,56) fabricado pela Imbel. Durante todas as instruções em ambos os eventos cada participante portava o seu próprio fuzil IA2 onde os mesmos foram expostos a toda prova de sua resistência e confiabilidade  no interior da floresta. Devido a sua excelente operação o mesmo foi elogiado por vários participantes alguns deles acostumados a armamentos bem mais modernos como no caso dos participantes membros da OTAN.

II Competição Internacional de Patrulha

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=HpdetB9aROc[/embedyt]

article-2

O fuzil IA-2  é,  sem dúvidas, um ótimo fuzil, isto está provado pelo simples fato dele ter conseguido passar pelos rigorosos testes do Exército.  Uma característica desejável hoje em dia, no entanto, foi deixada de lado:  a possibilidade de troca dos calibres com a simples troca de algumas peças da arma, tendo em vista que o Exército e demais forças armadas, que também irão adotá-lo para que exista uma padronização no armamento básico.

II Competição Internacional de Patrulha

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=VDPJmJSN6B0[/embedyt]

cos_9576

Pode-se afirmar que o IA2 é um fuzil moderno, porém  não se encontra no mesmo grupo que os melhores e mais modernos fuzis do mundo atualmente. O Fuzil IA2 5.56X45mm, partiu da base do MD97 (porém com as deficiências desse últimos sanadas) para a sua concepção, onde foram empregadas novas técnicas de projeto, desenvolvimento e produção. 

article-15

1º Estágio Internacional de Operações na Selva

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=6RW9tark8eM[/embedyt]

Entretanto, ele é de um projeto recente e mudanças podem ocorrer deixando ainda mais capaz. A conclusão é de que nossas forças armadas estarão muito bem servidas com o IMBEL IA2.  Porém, estariam  melhor servidas se algumas características fossem adicionadas ao projeto.

article-14

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=XuO_Hr0lQ5M[/embedyt]

Categories
Defesa Infantry Fighting Vehicles Negócios e serviços Sistemas de Armas Ucrânia Vídeo

Ucraniana KrAZ apresenta veículo blindado multipropósito 4×4 “Hulk”

O novo veículo blindado é baseado no já conhecido todo-terreno KrAZ-5233. Pesando cerca de 16 toneladas, tem proteção balística nível 2 a STANAG 4569 em toda sua superfície, inclusive na parte inferior em forma de V, com capacidade para resisstir a até (6 kg TNT) em qualquer uma das rodas e fundo do carro.

Todos os vidros possuem proteção balística em multiplas camadas. Possui motor turbocompressor de 310 cavalos, podendo desenvolver até 90 kh. Pode acomodar até 12 combatentes. 

Edição: konner@planobrazil.com

 

Categories
Conflitos Geopolítica Rússia Síria

Alegações da OTAN sobre ações do grupo naval em Aleppo são absurdas

As declarações da OTAN sobre participação do grupo naval russo em atividades na cidade síria de Aleppo são absurdas, a aliança não tem razões para estar preocupada devido à deslocação do grupo no mar Mediterrâneo, disse à RIA Novosti o diretor do Departamento de Cooperação Europeia do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Andrei Kelin.

“A preocupação é infundada porque já faz oito dias que os nossos aviões não se aproximam de Aleppo. Não há razões. O grupo de navios dirige-se para o mar Mediterrâneo. Os nossos navios sempre ficaram no Mediterrâneo. Não há razões de suspeitar algo, não há razões para as declarações de Stoltenberg. Agora a viação russa não se aproxima de Aleppo, o Ministério da Defesa [russo] informou sobre isso. Para quê inventar tais suposições obscuras e, com base nelas, fazer recomendações políticas? É, com certeza, absurdo”, disse o diplomata russo.

O secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg afirmou há poucos dias que o grupo naval “pode ser usado para reforçar o potencial das forças russas que participam da operação militar em toda a Síria, bem como para realizar mais ataques aéreos em Aleppo”.

Na quarta-feira (26), o Ministério da Defesa da Rússia declarou que o departamento tinha previsto coordenar com a parte espanhola a entrada de alguns navios da flotilha russa no porto de Ceuta, desmentindo as declarações sobre planos de reabastecer o porta-aviões Admiral Kuznetsov. Segundo o ministério russo, a parte espanhola declarou que a entrada dos navios russos no porto de Ceuta não seria desejável devido à pressão por parte dos EUA e OTAN.

Foto: © Sputnik/ Andrey Babushkin

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News

Categories
Brasil Defesa Destaques Geopolítica Opinião Sistemas de Armas Tecnologia Vídeo

A bomba atômica brasileira

Fonte: Hoje no Mundo Militar – O Mundo Militar é um canal (You Tube) exclusivamente voltado para temas atuais do mundo militar.

Edição: konner@planobrazil.com

Categories
América do Sul Brasil Defesa Equipamentos Infantry Fighting Vehicles Negócios e serviços Sistemas de Armas

Arsenal de Guerra de São Paulo realizou Tiro Técnico com veículo Cascavel MX8

O Arsenal de Guerra de São Paulo (AGSP) realizou, no último dia 20 de outubro, no Campo de Instrução do 2º Grupo de Artilharia de Campanha Leve, localizado em Itu (SP), o tiro técnico da Viatura Blindada de Reconhecimento (VBR) Cascavel MX8, modernizada em parceria com a Empresa Equitron.

Em 2014, foi iniciada a modernização de sua plataforma veicular, que recebeu motor eletrônico, caixa de mudanças automáticas, freios a disco e ar-condicionado.

Na segunda fase do projeto, realizada no biênio 2015/2016, foi implementado o acionamento elétrico hidráulico em azmute e elevação da torre, além da instalação preliminar de tubos lançadores de mísseis.

CCOMSEX

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Orbis Defense

Categories
Conflitos Defesa Destaques Estado Islãmico Geopolítica Navios Opinião Rússia Síria

Rússia cancela escala em Ceuta na Espanha da frota que navega rumo à Síria

A Rússia cancelou seus planos para que sua frota que navega em direção à Síria reabastecesse no porto espanhol de Ceuta, indicou nesta quarta-feira o Ministério das Relações Exteriores em Madri, uma possibilidade que havia gerado preocupação na OTAN.

A embaixada russa “acaba de nos comunicar que retira o pedido de permissões de escala para estes navios, escalas que ficam, portanto, canceladas”, indicou um comunicado do ministério.

A permissão que a Espanha havia concedido à Rússia gerou críticas de Londres e preocupação do secretário-geral da OTAN, enquanto foi rejeitada por ONGs como Anistia Internacional (AI).

Várias embarcações da frota russa, que inclui o porta-aviões “Almirante Kuznetsov”, com aviões e helicópteros de combate, planejavam se abastecer de suprimentos e combustível em Ceuta, enclave espanhol em território marroquino diante de Gibraltar.

Madri, que havia autorizado a escala de três navios, informou que o fez no “âmbito da prática nesta matéria”, já que embarcações russas se reabastecem há anos em portos da Espanha, integrante da OTAN.

Estas escalas são autorizadas caso a caso, levando-se em conta, em primeiro lugar, “a segurança do entorno, da população e do porto”, segundo Madri.

Diante da preocupação manifestada por aliados da OTAN, a Espanha indicou que pediu esclarecimentos à embaixada russa, e ela comunicou a retirada da solicitação.

“O Governo da Espanha segue com extraordinária preocupação os bombardeios sobre Aleppo e a tragédia humanitária que está sendo vivida”, ressaltou o comunicado, que acrescenta que Madri pediu um cessar-fogo para poder canalizar a ajuda humanitária.

Reservas da OTAN –

“Cada país deve decidir se estes barcos podem obter provisões e combustível em diferentes portos em sua rota em direção ao leste do Mediterrâneo”, havia afirmado o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, ao demonstrar sua preocupação pela escala.

“Acredito que todos os aliados da OTAN estão cientes de que este grupo de combate pode ser usado para realizar ataques aéreos contra Aleppo e (o resto da) Síria”, acrescentou.

Londres demonstrou com mais firmeza suas reservas. “O governo de sua Majestade expressou previamente suas preocupações ao governo espanhol sobre sua hospitalidade à marinha de guerra russa”, indicou um porta-voz britânico.

Para o presidente do grupo liberal no Parlamento europeu, Guy Verhofstadt, “é chocante que a Espanha, integrante da OTAN e da UE, permita que a frota russa abasteça e receba assistência técnica em território espanhol”, escreveu na rede social Twitter.

“Nem a Espanha, nem outro país devem oferecer apoio logístico a barcos russos que vão à Síria, pelo risco substancial de que estas embarcações sejam utilizadas para cometer ou facilitar violações de direitos humanos”, indicou em um comunicado a Anistia Internacional.

De acordo com a consultoria estratégica americana Heritage Foundation, até agosto de 2015 um total de 57 embarcações russas fizeram escala em portos espanhóis.

Este “think tank” denunciou o fato de as escalas terem continuado após a anexação da Crimeia por parte de Moscou em 2014, ao mesmo tempo em que indicou que a Grécia, outro sócio da OTAN, e Malta, membro da União Europeia, mas não da Aliança Atlântica, também abriram seus portos à marinha de guerra russa.

AFP

Foto: (Arquivo) – O porta-aviões russo Admiral Kuznetsov

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: YAHOO

Categories
Conflitos Defesa Geopolítica Opinião Sistemas de Armas

Convencer a Coreia do Norte a abandonar plano nuclear é perda de tempo

Persuadir a Coreia do Norte a renunciar a seu programa militar nuclear é um esforço destinado ao fracasso, afirmou nesta terça-feira o coordenador de Inteligência americano James Clapper.

“Acredito que a ideia de levar os norte-coreanos ao fim do programa nuclear é, provavelmente, uma causa perdida. Não vão fazer isto. É seu bilhete de sobrevivência”, disse Clapper durante conferência no centro de pesquisas Council on Foreign Relations (CFR).

“Tive uma boa percepção disto, sobre seu ponto de vista em relação ao mundo, quando estive lá. Estão sitiados e são muito paranoicos. Tanto, que a ideia de que possam abandonar sua capacidade nuclear, qualquer que seja, está destinada ao fracasso”, acrescentou Clapper, que coordena as 17 agências de Inteligência americanas, entre elas a CIA e a NSA.

Clapper esteve em missão secreta na Coreia do Norte no dia 7 de novembro de 2014 para obter a libertação de dois prisioneiros americanos.

Em resposta a Clapper, o porta-voz do departamento de Estado, John Kirby, afirmou que “nada mudou em nossa política em relação à Coreia do Norte”.

“Queremos que haja uma desnuclearização verificável na península (coreana). Queremos que se reinicie o processo de negociações a seis”, disse Kirby, em referência as discussões internacionais entre as duas Coreias, China, Rússia, Estados Unidos e Japão, congeladas há anos.

AFP

Foto: James Clapper – Diretor da Inteligência Nacional em Washington D.C. 7 de setembro de 2016.

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: YAHOO

Categories
China Conflitos Geopolítica

China realiza manobras militares perto das ilhas disputadas com o Vietnã

As Forças Armadas chinesas realizaram nesta quinta-feira manobras militares no Mar da China Meridional, perto da zona onde China e Vietnã disputaram a soberania sobre as ilhas Paracel, confirmou o Ministério da Defesa do gigante asiático.

Os exercícios militares são realizados ao sul da ilha chinesa de Hainan e ao noroeste das Paracel, e “são um treino de rotina, incluído nos planos anuais”, afirmou em entrevista coletiva o porta-voz de Defesa chinês, Wu Qian.

As manobras acontecem menos de uma semana depois que um destróier americano passou pelas águas disputadas entre China e Vietnã, fazendo com que navios de guerra chineses lançassem mensagens de advertência à embarcação americana.

A imprensa chinesa destacou que o destróier pertencia à Terceira Frota americana, que não desdobrava navios nessas águas desde a Segunda Guerra Mundial, algo que o porta-voz chinês de Defesa não deu especial importância.

“Enquanto estiver em compromisso a soberania e a segurança da China, faremos todo o necessário para salvaguardar nossos direitos e interesses”, ressaltou a fonte militar.

O gesto americano rumo ao Vietnã ocorre no momento no qual outro país da região ao qual os EUA apoiavam em suas reivindicações marítimas contra a China, Filipinas, deu um giro de 180 graus com uma retórica agressiva contra Washington e em favor de maiores laços com Pequim.

Isto aconteceu com a chegada ao governo filipino do presidente Rodrigo Duterte, que na semana passada fez uma viagem de “reconciliação” à China, e ameaçou nos últimos dias romper as relações econômicas e militares com os Estados Unidos.

Vietnã e China, por sua vez, manterão na próxima semana um diálogo em matéria de Defesa na cidade central chinesa de Chengdu, segundo anunciou hoje o porta-voz Wu, por isso que as relações entre estes dois países também parecem estar em processo de aproximação.

As reuniões serão realizadas em 4 de novembro e serão lideradas pelo almirante Sun Jianguo, subchefe do Estado-Maior chinês, e seu colega vietnamita Nguyen Chi Vinh, vice-ministro da Defesa, anunciou Wu Qin.

EFE

Foto: Destroyer 052C HQ-9 Classe Luyang II / Marinha do Exército de Libertação Popular da China (PLAN) – Meramente ilustrativa

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: YAHOO

Categories
América do Sul Brasil Defesa Destaques Equipamentos Forças Especiais Infantry Fighting Vehicles Negócios e serviços Opinião Segurança Pública Sistemas de Armas Tecnologia Vídeo

Veículo Guará 4WS 4×4 da Avibras

O veículo Guará 4WS 4X4 da Avibras, foi inteiramente projetado e desenvolvido pela brasileira Avibras para aplicações militares, podendo ser empregado pelas três Forças Armadas, como também em ações de segurança pública.

Trata-se de um veículo com elevado nível de proteção balística, com capacidade de rápido aumento ou redução dessa proteção, devido ao conceito modular que foi aplicado no projeto.

A elevada capacidade de carga, aliada a agilidade, a extrema mobilidade com a tração 4×4 e a capacidade de direcionamento nas quatro rodas, são características da viatura fundamentais para operação em cenário urbano ou rural.

Edição: konner@planobrazil.com

Categories
Brasil Defesa Destaques Negócios e serviços Sistemas de Armas Tecnologia

Brasil: Governo Temer quer aumentar “participação estrangeira no setor de defesa”

O governo brasileiro prepara um projeto de lei para reduzir restrições à participação estrangeira em seu setor de defesa e ajudar a atrair tecnologia e recursos.

O projeto de lei deverá ser aprovado pelo Congresso em menos de um ano, disse o secretário de Produtos de Defesa do Brasil, Flávio Basílio, à Bloomberg News.

Pela legislação atual, apenas as chamadas companhias estratégicas, cujo capital é majoritariamente nacional, podem apresentar oferta por grandes contratos de defesa do governo.

A proposta é a mais recente iniciativa do governo do presidente Michel Temer para abrir a maior economia da América Latina à entrada de mais capital privado e estrangeiro com o objetivo de impulsionar o crescimento e superar restrições orçamentárias em meio a uma profunda recessão.

O Congresso aprovou projeto de lei semelhante nas últimas semanas para abrir o setor de petróleo, e o governo planeja reduzir limites à participação estrangeira no transporte aéreo e na propriedade de terras.

Entre os projetos que podem ser abertos ao capital estrangeiros encontra-se o arsenal da Marinha no Rio de Janeiro. O local poderia ser usado para construção de navios de guerra destinados principalmente à exportação, segundo o almirante Antônio Carlos Soares Guerreiro. Os EUA e a França estão interessados em utilizar o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, disse Basílio.

Outras companhias também deverão se beneficiar. A produtora aeroespacial e de eletrônicos Thales informou que uma nova legislação permitiria que a empresa apresentasse oferta para grandes contratos do governo e ampliasse seu investimento no Brasil, segundo o vice-presidente da companhia para a América Latina, Rubén Lazo.

Bloomberg

Fotos: Meramente ilustrativas

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Exame