Categories
Acidentes e Catástrofes América do Sul América Latina Aviação Brasil Defesa Infantaria da Aeronautica PÉ DE POEIRA

FAB PÉ DE POEIRA:Parque de Material Bélico da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAMB-RJ) ministra Curso de Neutralização e Destruição de Artefatos Explosivos (CNDAEX).

i16101317522856246

O curso realizado no Rio de Janeiro tem duração de 4 meses

O Parque de Material Bélico da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAMB-RJ) iniciou em setembro o Curso de Neutralização e Destruição de Artefatos Explosivos (CNDAEX) no Rio de Janeiro. Doze militares participam das instruções que são divididas em duas etapas – teórica e prática. O objetivo do curso, que vai até 16 de dezembro, é capacitar os militares para realizarem, com segurança, atividades de reconhecimento, identificação, demolição, neutralização e destruição de artefatos explosivos e pirotécnicos, além de coordenar, planejar e executar operações com explosivos, elaborando plano de contingência, cálculo de separação de segurança e análise de falhas.

i111110163317116295

Após a conclusão do curso, os militares serão capazes de abordar itens falhados, determinar os motivos das falhas e neutralizá-los, transformando a condição de item perigoso para item seguro. Os alunos serão capazes, ainda, de atuar como observadores em uma ação real de emprego aéreo, mapeando as possíveis falhas, coletando e catalogando todos os dados para uma futura missão de descontaminação.

i111110163317176878

“Em situações de emergência, a atuação de um militar capacitado com o curso é primordial para a orientação das equipes de primeiro combate, como em casos de acidentes aéreos que envolvam aeronaves armadas com itens ativos ou equipadas com assentos ejetáveis, delimitando as áreas de perigo, instalando os pinos de segurança dos itens ativos, instalando os pinos de segurança do assento ejetável, estabelecendo a distância de segurança para atuação da equipe de emergência e indicando a direção segura para a aproximação”, ressalta o coordenador e instrutor do curso, Tenente Pedro Paulo.

i111110163618148315

Um dos alunos, o Sargento Guilherme Paiva, ressaltou a importância do curso para a sua carreira. “O conhecimento adquirido será de grande valia para o meu trabalho no Esquadrão de Material Bélico da Base Aérea de Natal, pois a unidade possui estande de aviação de Maxaranguape onde o emprego armado é intenso. Por meio desse conhecimento vou realizar com mais segurança atividades de inspeção e manuseio de itens bélicos”, afirmou o Sargento Guilherme.

i161013175242173189

Fonte :FAB

Edição Pé de Poeira

Categories
Defesa Destaques Estados Unidos Infantry Fighting Vehicles Negócios e serviços Sistemas de Armas Tecnologia Vídeo

BAE Systems Lança Next Generation Bradley Prototype

“No meio militar hoje, muitas vezes têm de escolher entre preservar a frota existente, ou o desenvolvimento de novos veículos de combate. Graças à integração de novas tecnologias, podemos atualizar com êxito um equipamento militar ready-made apenas expandindo suas capacidades”.

Deepak Bazaz – Chefe do Program Bradley / BAE Systems.

O novo veículo conceito empresta tecnologias de outros sistemas para manter os custos baixos.

Categories
Defesa Destaques Estados Unidos Geopolítica Meios Navais Navios Opinião Sistemas de Armas Tecnologia

Destróier Zumwalt entregue à Marinha dos EUA – Mais silencioso, menos vulnerável

A cerimônia oficial de entrega do navio Zumwalt à Marinha foi realizada no porto da cidade de Baltimore, no estado de Maryland, na presença de comandantes militares, bem como de dezenas de milhares de espectadores.

Discursando na cerimônia, o secretário da Marinha norte-americana, Ray Mabus, chamou o novo navio do maior e mais bem equipado do ponto de vista tecnológico, informa o canal ABC. De acordo com o secretário, “ele oferece novos recursos, novos sistemas que podemos usar, bem como aumenta as nossas capacidades.”

O deslocamento do novo navio é de aproximadamente 15 mil toneladas. A embarcação é dotada das tecnologias mais recentes para operações tanto defensivas quanto ofensivas. Como notou o comandante James Kirk, todos esses sistemas são abastecidos por um reator de 78 megawatts. Como comparação, esta é a energia que uma pequena ou média cidade costuma consumir.”

O Destróier, não obstante a sua grande envergadura (165 metros de comprimento e 25 metros de largura), tem uma tripulação de apenas 147 pessoas. Isto foi conseguido graças aos equipamentos técnicos do navio. Como se observa, “será a tripulação menor desde 1930”.

Com a tecnologia stealth, o Zumwalt será praticamente “invisível” para o inimigo. Se relata que no radar ele é detetado com um barco muito menor. Uma vez que o ruído do navio é muito baixo, ele se torna difícil de identificar. Os sistemas de lança-mísseis do navio são capazes de atingir alvos a uma distância de mais de 100 milhas.

A construção de um novo navio custou de 4,4 bilhões de dólares, o que é também uma espécie de recorde. O destróier recebeu o nome do herói da Guerra do Vietnã Almirante Elmo Zumwalt. Depois de passar uma série de testes, o navio entrará oficialmente ao serviço da Marinha norte-americana em 2018.

Foto: © AFP 2016/ US NAVY

Edição: konner@planobrazil.com

Foto: Sputnik News

 

 

 

 

Categories
Brasil China Destaques EVENTOS Geopolítica Rússia

Putin se reunirá com todos os presidentes dos BRICS em Goa, exceto com Temer

Segundo anunciou a emissora RT, o presidente russo Vladimir Putin se reunirá com todos os líderes dos BRICS em Goa, na Índia, exceto com Michel Temer, devido a questões políticas.

De acordo com a emissora, os membros dos BRICS precisam entender melhor o novo direcionamento do país em relação ao grupo, após a “mudança brusca da política no Brasil”.

https://www.youtube.com/watch?v=q8WWKnWI9o4

Apesar de não se reunir separadamente com Temer, Putin conversou com o peemedebista durante o jantar de ontem (15), ao final do primeiro dia da Cúpula dos BRICS na cidade indiana. Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, a conversa girou em torno das mudanças econômicas que ocorrem no Brasil e, em particular, em torno da polêmica PEC 241.

Foto: © AFP 2016/ MONEY SHARMA

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News

 

Categories
Defesa Destaques Geopolítica Meios Navais Navios Negócios e serviços Sistemas de Armas Sistemas Navais

Alemanha compra cinco corvetas classe Braunschweig para “se defender” da Rússia

Pelo menos cinco corvetas da classe Braunschweig entrarão ao serviço na Marinha alemã nos próximos anos, o que pode ser visto como um sinal para a Rússia, de acordo com o jornal Suddeutsche Zeitung.

O Bundestag (parlamento alemão) aprovou a compra exigida pela coalizão governista do país, que inclui a União Democrata Cristã (CDU) de centro-direita, o partido conservador União Social Cristã (CSU) e o Partido Social-Democrata (SPD).

O custo total das embarcações atinge 1,5 mil milhões de euros, informa o jornal Suddeutsche Zeitung, citando fontes no Bundestag.

“Para lidar com os novos desafios de segurança na região do Báltico, no Mediterrâneo e no mundo, a coalizão da aliança CDU/CSU e SPD planeja comprar cinco novas corvetas para a Marinha alemã no valor de 1,5 mil milhões de euros,” indica o jornal.

Os dois primeiros navios serão colocados em serviço em 2019, enquanto os outros três deverão passar a integrar a Marinha alemã em 2023.

A força naval do país tem um total de cinco corvetas  K 130 da classe Braunschweig, de acordo com o Suddeutsche Zeitung.

Essas corvetas são principalmente usadas nas águas costeiras, incluindo no mar Báltico, segundo o jornal.

Neste contexto, o Suddeutsche Zeitung sugeriu que a modernização da Marinha alemã poderia ser entendida como sinal de Berlim a Moscou.

Segundo o site naval-technology.com, “as corvetas K130 possuem características furtivas, empuxo baixo, armas altamente automatizadas e sistemas de defesa para apoiar uma guerra no litoral e particularmente para operações de uma força de reação rápida numa crise internacional”.

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News

 

 

Categories
Brasil China Destaques EVENTOS Geopolítica Negócios e serviços Opinião Rússia Tecnologia

BRICS / Os rumos para 2017: Declaração final da 8ª reunião de cúpula

A declaração final da 8ª cúpula do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que se encerra neste Domingo (16) em Goa, na Índia, foi acompanhada de um plano de ação conjunto especificando o trabalho da organização para o próximo ano.

Durante o encontro foram assinados um memorando de entendimento para criação de uma plataforma de pesquisa agrícola e entre academias diplomáticas dos cinco países.

Também foram debatidas e definidas as tarefas correspondentes ao Comitê de Cooperação Aduaneira dos países do BRICS.

Em reunião com os membros do Conselho Empresarial do BRICS os líderes dos países-membros abordaram formas de expandir a cooperação comercial e aproximar a economia dos BRICS, bem como o lançamento de novos projetos conjuntos.

“Os BRICS representam uma grande fatia do mercado consumidor que inclui três bilhões de pessoas, grandes reservas de matérias-primas e recursos energéticos, e uma base científica e tecnológica desenvolvida”, disse o presidente russo Vladímir Pútin.

“A Rússia continuará a empreender esforços para facilitar a aproximação econômica entre BRICS e preparar o terreno para o lançamento de novos projetos empresariais, e nós convidamos os empresários de todos os países do BRICS a trabalhar em nosso mercado e desenvolver laços de parceria com empresas russas”, acrescentou.

E-commerce sem barreiras

Pútin também exortou os países do BRICS a desenvolver uma abordagem comum para regulamentar o comércio pela internet.

“O desenvolvimento da cooperação na área de comércio eletrônico tem um potencial significativo. Hoje, este é um dos setores de desenvolvimento mais dinâmicos da economia”, disse o russo, em uma reunião com representantes dos países-membros.

“É preciso desenvolver uma abordagem comum dos países do BRICS para regular sua atividade e também criar condições para estabelecer um e-commerce sem barreiras entre os países-membros do grupo”, continuou.

A proposta da Índia de lançar um portal de internet para pequenas e médias empresas dos BRICS foi recebida com entusiasmo pelos demais.

“Há também boas perspectivas de cooperação no uso pacífico do espaço exterior”, acrescentou o presidente russo, que ressaltou ainda a necessidade de aumentar a eficiência da parceria industrial e tecnológica.

“Precisamos traduzir na prática as iniciativas para o estabelecimento de uma união de indústria de fundição, o projeto de um centro de processamento e armazenamento de dados eletrônicos sobre treinamento profissional. É também importante trabalhar em uma iniciativa para criar a agência de energia do BRICS”, acrescentou.

Com a agência de notícias Tass e kremlin.ru

Foto: Kremlin.ru

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Gazeta Russa

Categories
Defesa Destaques Espaço Mísseis Rússia Sistemas de Armas Tecnologia

Novo míssil russo com alcance além da atmosfera terrestre

Um novo míssil interceptor de longo alcance, capaz de destruir alvos que estejam fora da atmosfera, será futuramente integrado ao arsenal das Forças de Defesa Aeroespacial da Rússia.

Isso permitirá, segundo o vice-comandante das forças, tenente-general Víktor Gumenni, que qualquer tarefa imposta pelo Comandante Supremo e pela pasta da Defesa às Forças de Defesa Aérea e às Forças de Defesa contra Mísseis Balísticos seja executada dentro dos prazos estabelecidos.

As primeiras referências ao novo míssil interceptor de longo alcance surgiram no final de 2015, depois da realização bem-sucedida de testes. A imagem do aparato em um contêiner de transporte e lançamento apareceu então no calendário corporativo do consórcio Almaz-Antey.

O novo míssil russo permanece, porém, sob grande sigilo, e não se sabe sequer seu nome exato.

Segundo os projetistas, um novo motor deverá transformá-lo no mais rápido entre todos os mísseis disponíveis em arsenais estrangeiros.

Quatro décadas de evolução

A história dos interceptores russos, capazes de brecar mísseis balísticos e satélites, teve início há 40 anos. Já naquela época, os projetistas previram que a ameaça representada pelo potencial nuclear do inimigo poderia ser reduzida a zero contrapondo-o com um escudo antimíssil.

Para eliminar a possibilidade de minar a paridade nuclear existente entre as superpotências, a União Soviética e os Estados Unidos assinaram, em 1972, um acordo que limitava as possibilidades de criação de sistemas nacionais de defesas antimísseis.

Ambos os países só poderiam distribuir os equipamentos por uma área geograficamente limitada, e a União Soviética optou por proteger Moscou com o chamado “guarda-chuva” nuclear do modelo 53T6 (“Gazelle”, na classificação da OTAN).

Míssil 53T6 acoplado ao sistema de defesa A-135, na região de Moscou – Foto: PhotoXPress

O princípio de seu funcionamento era o mesmo que o dos norte-americanos – um míssil de combustível sólido, de alguns metros, equipado com uma ogiva nuclear.

Porém, o desempenho da versão soviética o tornava único: possuindo massa de 10 toneladas e motor potente, o míssil alcançava uma altitude de 30 km em 5 segundos; já a carga nuclear de 10 quilotons, era detonada na estratosfera e atingia as ogivas dos mísseis balísticos do inimigo.

Mais importante ainda era o potencial de modernização previsto pelos criadores dos mísseis. Tanto é que os trabalhos de aperfeiçoamento foram conduzidos tanto na URSS como na era pós-soviética, e hoje o 53T6 põe em risco os satélites em órbita baixa, inclusive os de navegação global.

Bloqueio espacial

Componente do sistema para vigilância espacial e defesa antimíssil nos arredores da capital Foto: Ivan Guschin/TASS

Apesar das inovações, como recurso utilizado para destruir satélites, o míssil 53T6 apresenta uma série de desvantagens. Em certos casos, recursos que não levam à destruição direta do objeto, mas somente o deixam inutilizado, como dispositivos terrestres de interferência, podem ser mais eficazes.

Esses dispositivos são basicamente construções metálicas instaladas sobre uma plataforma automotiva e que contêm componentes eletrônicos mortalmente perigosos para os satélites.

O sistema russo de guerra eletrônica que se contrapõe aos sistemas de satélites em órbitas circulares baixas (KRBSS, na sigla em russo) está equipado com antenas especiais, constituídas de elementos de recepção e transmissão de sinal eletrônico montados de forma peculiar.

Esses recursos atingem o “calcanhar de Aquiles” dos agrupamentos de satélites de órbita baixa; se o sistema conseguir bloquear apenas alguns sinais fracos, todo o agrupamento é inutilizado.

Testes recentes mostraram que o desenvolvimento do Instituto de Pesquisa Científica de Engenharia de Rádio de Moscou revelou-se ainda mais eficaz do que esperavam seus criadores. Se for alocado no Ártico russo, o sistema KRBSS poderá proteger o espaço sobre a maior parte do hemisfério norte.

ALEKSANDR VERCHÍNIN

Imagem – 1°: Concepção artística de um provável complexo ‘lançador móvel’ para o novo míssil. Figura – Bmpd.livejournal / Militaryrussia.ru

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Gazeta Russa

 

 

Categories
Conflitos Destaques Estados Unidos Navios

Mais dois mísseis contra o USS Mason da US Navy na costa do Iêmen neste Sábado

Os Estados Unidos alegaram que mais dois mísseis foram disparados contra o seu contratorpedeiro USS Mason na costa do Iêmen na noite deste Sábado. Esse foi o terceiro ataque contra o navio americano nesta semana.

De acordo com as autoridades militares, um dos mísseis foi destruído pelo sistema de defesa do destróier, enquanto o outro caiu direto no mar, deixando a embarcação ilesa.

Esse novo ataque aconteceu poucos dias depois de os EUA lançarem uma ofensiva para retaliar instalações dos rebeldes houthis no Iêmen, responsabilizados pelos disparos anteriores contra o USS Mason. Os houthis, no entanto, negaram ter participação no ataque contra o destróier e disseram que a retaliação americana era inaceitável.

Foto: © REUTERS/ Karl Ronstrom/File photo

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News

 

 

Categories
Defesa Destaques Negócios e serviços Sistemas de Armas

Reino Unido negocia US$ 3,6 bilhões em veículos militares da Alemanha

O Reino Unido anunciou planos de comprar veículos militares de um fabricante alemão no valor aproximado de 3,6 bilhões de dólares, segundo informou a mídia local neste Sábado.

Citando fontes do Ministério da Defesa, o Times explicou que, por conta da esperada queda da libra após o Brexit, o governo britânico teria que adiar ou cancelar uma série de projetos ainda não agendados. Por esse motivo, as autoridades da Defesa queriam executar o contrato com a Alemanha o mais rápido possível.

O projeto em questão prevê a compra de 800 veículos de combate, sem abertura de licitação para outros interessados no negócio, como uma empresa britânica, que foi desconsiderada. Segundo as fontes do Times , se o contrato fosse firmado com uma companhia do Reino Unido, ele poderia custar muito menos e ainda abriria postos de trabalho para centenas de pessoas no país.

Foto: © AP Photo/ Michael Sohn – Meramente ilustrativa

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News