Categories
Destaques Negócios e serviços Rússia Tecnologia Vídeo

SHAMAN – O civil russo 8 x 8 com “DNA” militar da Avtoros

O “Shaman” dos pantanos da Rússia, esta habilitado para todo terreno, este veículo possui três sistema de direção: On-Road, Off-Road e Modo “Caranguejo” – (As oito rodas se movimentam de forma sincronizada para este, ou aquele lado).

Com seis metros de comprimento, três metros de altura, dois metros e meio de largura, pesando cerca de três toneladas, é o verdadeiro TODO TERRENO.

No topo de suas notáveis performances por terra, o Shaman tem o chassi completamente selado, ele é também um veículo anfíbio. E está e quipado com um motor turbo diesel Iveco F1C de 3.0 litros. 

 

 

 

Categories
América do Sul América Latina Aviação BINFA BINFAE Brasil CINFAI Defesa Infantaria da Aeronautica PÉ DE POEIRA

FAB PÉ DE POEIRA: Batalhão de Garantia da Lei e da Ordem da FAB encerra patrulhamento nas ruas do Rio de Janeiro

i169239130787158

Mais de 600 militares da FAB de todo o Brasil patrulharam o entorno do aeroporto internacional do Galeão.

O Batalhão de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou 3.350 missões e registrou 40 incidentes ao longo dos 70 dias ininterruptos de operação nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 (JO2016) no entorno do aeroporto internacional do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ). O encerramento das atividades ocorreu na terça-feira (20/09), na Base Aérea do Galeão (BAGL), com uma cerimônia militar.

i1692311214857034

A missão, iniciada em 14 de julho e encerrada em 19 de setembro, contou com a participação de 628 militares de todo o Brasil, que agora retornam às suas bases em Brasília (BINFAE BR – Batalhão Alvorada), Canoas (BINFAE-CO – Batalhão Cruzeiro do Sul) e Santa Maria (BINFA SM), Recife (BINFAE-RF – Batalhão Guararapes)), Belém (BINFAE-BE – Batalhão Marajo), Alcântara (CINFAI – CLA), Campo Grande (BINFA-34 – Batalhão Pantanal), Guarulhos (BINFA-54 – Batalhão Guaru), Pirassununga (BINFA-84), São José dos Campos (BINFA-64)  e Guaratinguetá (BINFA-74), Boa Vista (CINFAI-BV), Porto Velho (BINFA-17), Manaus (BINFAE-MN – Batalhão Uiruuetê), Anápolis (BINFA-36) e Florianópolis (BINFA-25). Foram 70 dias aquartelados na BAGL, ou seja, só poderiam sair em poucas ocasiões e com horário de retorno restrito.

aeroportos-pf

Os militares realizaram patrulhas de segurança, escoltas, condução de detentos, entre outras tarefas. Eles também atuaram em missões específicas, como a inspeção de mais de 140 mil bagagens no aeroporto, acompanharam as chegadas e saídas das delegações e da família olímpica, o que envolveu cerca de 50 mil pessoas. Em alguns casos, escoltaram as chegadas e saídas de equipes. No caso dos atletas paraolímpicos, a tropa também auxiliou no isolamento das áreas de embarque e desembarque de veículos para manter o espaço para os cadeirantes.

Essa foi a primeira vez que a FAB criou um batalhão específico para ações de garantia da lei e da ordem, porém contou com a experiência de militares que estiveram em missão de paz no Haiti. “Fazemos parte desta história. Somos precursores”, afirmou o coordenador de Defesa e Segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 no âmbito da FAB, Coronel Almir de Pinto Lima.

2886082

Avaliação – Para o comandante do batalhão, Coronel Alexandre Okada, a avaliação da missão pode ser resumida em três palavras “intensidade, êxito e aprendizado”. “Foram muitas missões em pouco tempo. Foram 24horas por dia, 7 dias por semana e operamos mesmo no intervalo entre os Jogos Olímpicos e Paralímpicos”, explica o oficial sobre a intensidade do trabalho.

Em alguns dias, foi necessário colocar todo o efetivo do batalhão na rua. Foi o caso dos quatro dias anteriores e no dia da abertura dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, além do dia da cerimônia de encerramento e outros quatro dias após.

i16724201742117752

“Houve dias em que tivemos que trabalhar com 100% do efetivo por mais de 6 horas consecutivas, como os dias de maior movimento no aeroporto. Um dia após o encerramento dos Jogos Olímpicos, tivemos quase 90 mil passageiros. Em um dia de chegada dos atletas paralímpicos, foram mais de 580 cadeirantes”, relata o Coronel Okada.

De acordo com o militar, o êxito da missão pode ser medido diante da avaliação feita por outras forças e órgãos de segurança pública sobre o trabalho da infantaria da FAB. O militar conta que a missão possibilitou um grande aprendizado, especialmente sobre os aspectos de mobilização e desmobilização do efetivo e também com a integração com áreas de intendência e tecnologia da informação para apoio das atividades.

O aprendizado também é destacado pelo aspecto doutrinário. A experiência nesta operação vai influenciar atividades da infantaria da FAB em todo o País.

i1692311300054043
Comandante do batalhão GLO da FAB, Coronel de Infantaria Alexandre Okada

“Aprendemos muito na área operacional e doutrinária. Isso servirá de embrião para outros batalhões, para outras atividades, para os manuais que serão escritos e servirão de doutrina para a nossa infantaria”, afirma.

O comandante do batalhão enfatiza o trabalho profissional e dedicação e motivação da tropa.

“Não posso deixar de avaliar o êxito sem elogiar. Cada um, a todo momento, não esmoreceu e procurou sempre fazer o seu melhor. Cumpriram disciplinarmente todas as ordens e se dedicaram ao extremo. Tenho certeza de que fizeram o seu melhor e cumprido com seu dever com a pátria e com a FAB”, finaliza o Coronel Okada.

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=HVciSVysuuY[/embedyt]

Fonte: FAB

Edição Pé de Poeira

Categories
Aviação Defesa Estados Unidos Sistemas de Armas

Caça F-35 pega fogo ao dar partida no motor

Um caça F-35 pegou fogo na noite desta sexta-feira, 23, em uma base aérea do estado norte-americano de Idaho, segundo informou a Força Aérea dos Estados Unidos.

“O piloto teve que deixar a aeronave durante a partida devido a um incêndio na seção traseira do avião”, disse o capitão Mark Graff através de um comunicado oficial.

De acordo com as autoridades, o incidente ocorreu na base de Mountain Home. As chamas foram rapidamente apagadas e ninguém ficou gravemente ferido.

“Como medida de precaução, quatro aviadores da 61ª Unidade de Manutenção de Aeronaves, três aviadores da 366º do Grupo de Manutenção e o piloto do Esquadrão de Caças foram levados ao centro médico da base para uma avaliação padrão”.  A causa do acidente está sendo investigada. Atualmente, há sete caças F-35A da base aérea de Luke, no Arizona, na base de Mountain Home, participando de exercícios militares.

Foto: F-35A Lightning II –  Flickr, US Air Force

Edição/Imagem: Plano Brasil

Fonte: Sputnik News