Categories
América do Sul América Latina Aviação Brasil Defesa PÉ DE POEIRA Sistemas de Armas Sugestão de Leitura

FAB PÉ DE POEIRA: Batalhão de Infantaria da Base Aérea de Campo Grande (BINFA/BACG) e 1º/15º GAv – Esquadrão Onça realizam adestramento.

No MS, FAB treina embarque e desembarque de tropa em terreno hostil

Ação será usada para subsidiar a produção de manual para incorporar doutrina da ONU

13164209_1434564719894405_9220724280098025236_n

O Esquadrão Onça (1º/15º GAV), que emprega a aeronave C-105 Amazonas, e o Batalhão de Infantaria de Aeronáutica de Campo Grande (BINFA-34), ambos sediados na Base Aérea de Campo Grande (BACG), treinaram embarque e desembarque de tropa e não-combatentes em terreno hostil. O exercício conjunto é considerado um fato inédito para a aviação de transporte da Força Aérea Brasileira.

13133186_1434564689894408_7943461256132444645_n

“Mesmo sendo um país pacífico, as Forças Armadas do Brasil devem estar em condições de prover o apoio necessário quando for preciso e também atuar em qualquer parte diferente do território nacional, onde nem sempre a paz está presente, utilizando-se de todo o seu poder combativo baseado em uma doutrina de emprego moderna e compatível com ameaças atuais”, explica o comandante do Onça, Tenente-Coronel Cláudio Faria.

13124807_1434564666561077_761849130058588982_n

Armados, os militares de infantaria e a tripulação devem atuar na proteção da aeronave, movimento da tropa e dos passageiros enquanto em solo, desde o taxiamento até a parada no local selecionado e seu retorno à base de operações. A ação testou as coordenações entre as equipes para posicionamento de atiradores, por exemplo. A ação pode ser usada para embarque e desembarque de carga, tropas ou não-combatentes, tanto em casos de calamidades, catástrofes e em áreas de conflitos, assim como o apoio do Brasil à operações da Organização das Nações Unidas (ONU).

13100924_1434564649894412_8109140554828412060_n

O exercício vai subsidiar conhecimentos para editar uma proposta de manual de emprego que permita a incorporação dessa doutrina, já utilizada por algumas Forças Aéreas do mundo que atuam, inclusive, em missões sob a égide da ONU, como a Força Aérea Portuguesa em ação no Mali.

“A FAB possui aeronaves capazes de serem empregadas em qualquer localidade do mundo. Na eventualidade de missões nas quais é necessário o embarque/desembarque de tropas, a retirada de pessoal não combatente, ou ainda, o transporte de equipes de apoio humanitário para áreas conflagradas, as tripulações devem estar em condições de prover sua própria segurança contra possíveis investidas de um adversário que se utiliza de armas portáteis até mesmo aquelas improvisadas sobre veículos”, detalha o oficial.

i165109261151999

Categories
Acidentes e Catástrofes América do Sul América Latina Aviação Brasil Defesa Destaques PÉ DE POEIRA Sistemas de Armas Sugestão de Leitura Tecnologia Vídeo

FAB PÉ DE POEIRA: A Histórica participação da infantaria na CRUZEX Flight 2013

p2

“Apesar da CRUZEX Flight 2013 ( Exercício Cruzeiro do Sul) ser exercício aéreo multinacional, a segurança e defesa do exercício são reais”, essa foi a  frase na época do então Capitão Fernando Maurício Gomes, Coordenador de Célula de Comando e Controle da Force Protection, “Proteção da Força” em português. A tropa de Infantaria da Aeronáutica atuou, tanto para garantir a preservação das locações, quanto das aeronaves envolvidas na operação, além de evitar o acesso indevido de pessoas a setores restritos. A Atuação da Infantaria da FAB neste exercício envolveu na época de sua realização cerca de 200 militares, de  três Batalhões de Infantaria da Aeronáutica:

Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Recife (BINFAE-RF – Batalhão Guararapes)

Batalhão de Infantaria da Aeronáutica da Base Aérea de Natal (BINFA-22 –  “Batalhão Pitimbu”)

Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Base Aérea de Fortaleza  (BINFA 42 – “Batalhão Carcará”)

A Force Protection empregou controladores de acesso, alem de uma ampla rede de vigilância eletrônica. Também foi empregada uma força de patrulhamento motorizada pronta para ser acionada a qualquer momento. Cães de guerra e unidades contra-incêndio  contemplaram as opções a disposição  da unidade na segurança e defesa durante a operação CRUZEX Flight 2013.

p1

A Force Protection teve a missão de prover a segurança e defesa para que as atividades do exercício fossem desenvolvidas como planejado pela Direção do exercício. Sua atuação foi conduzida de modo para que a mesma não interferisse  nas atividades aéreas, mas sim proteger as mesmas.

Prioridade em todas as iniciativas militares da Força Aérea Brasileira (FAB), a segurança e a defesa depende de um planejamento apurado das necessidades do local e do evento a ser realizado. Na CRUZEX Flight 2013, a  Force Protection realizou o credenciamento de mais de 2500 pessoas entre as cidades de Natal, Recife, Caicó (RN), Assú (RN) e Maxaranguape (RN).

cerca-de-200-militares-fazem-seguranca-de-exercicio

Outro destaque foi a atuação do  Grupo de Combate de Cães de Guerra (GCCG) da Base Aérea de Natal (BANT). Com cinco cães de guarda da raça rottweiler, a divisão do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica da Base Aérea de Natal (BINFA-22 –  “Batalhão Pitimbu”) que foi incluído na Force Protection onde auxiliou o patrulhamento e policiamento durante todo o exercício.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/1YdoVg2″ standard=”http://www.youtube.com/v/skUppwht6qk?fs=1&vq=hd720″ vars=”ytid=skUppwht6qk&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=1&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep1919″ /]

 

 

Categories
Acidentes e Catástrofes Africa Aviação Conflitos Defesa Terrorismo

EUA querem venda de Super Tucanos, da Embraer, à Nigéria para combate ao Boko Haram

A-29-SNC

Por Phil Stewart e Warren Strobel

WASHINGTON (Reuters) – O governo dos Estados Unidos busca aprovar a venda de até 12 aeronaves de ataque leve A-29 Super Tucano, da Embraer, para a Nigéria como auxílio no combate ao grupo extremista Boko Haram, disseram autoridades norte-americanas, em um voto de confiança à reforma conduzida pelo presidente Muhammadu Buhari para mudar o manchado histórico militar do país africano.

Washington também está dedicando mais ativos de inteligência, vigilância e reconhecimento para a campanha contra militantes islâmicos na região, e planeja providenciar mais treinamentos para as forças de infantaria nigerianas, disseram as autoridades à Reuters, falando sob condição de anonimato para discutir os planos do governo Obama para a Nigéria.

A possível venda dos Super Tucano -que autoridades dizem ser apoiada pela administração dos EUA, embora seja assunto de revisão pelo Congresso- destaca o profundo envolvimento norte-americano na ajuda a países do norte e oeste da África na luta contra grupos extremistas.

Super_Tucano_at_Moody

O Congresso dos EUA ainda não foi formalmente notificado sobre a possível aprovação da venda das aeronaves à Nigéria.

Os Super Tucanos podem ser usados para treinamento, vigilância e ataques. Os aviões podem ser armados com metralhadoras e carregar até 1.550 quilos de armas.

Uma linha de produção do Super Tucano fica na Flórida, onde a aeronave é fabricada com a empresa norte-americana Sierra Nevada Corp. As aeronaves que seriam vendidas à Nigéria vêm com “uma configuração armada bastante básica”, disse uma das autoridades dos EUA.

A venda pode oferecer à Nigéria uma aeronave que pode permanecer no ar por longos períodos para atingir formações do Boko Haram. As autoridades não revelaram o custo dos aviões para serem vendidos para a Nigéria. No entanto, um contrato para vender 20 aeronaves similares para o Afeganistão teve custo de 428 milhões de dólares quando foi anunciado em 2013.

Super-TucanoAfeganistão_01

A ampliação da ajuda militar dos EUA é uma vitória política para o presidente nigeriano Buhari, que tomou posse no ano passado prometendo reprimir a corrupção desenfreada que tem minado as Forças Armadas no país mais populoso da África.

“A administração Buhari, eu acho, tem realmente reenergizado a relação bilateral de uma forma fundamental”, disse um oficial dos EUA.

O governo nigeriano anterior de Goodluck Jonathan tinha desprezado os Estados Unidos por bloquear a venda de armas, em parte devido a preocupações com os direitos humanos.

Abaixo temos um vido dos Super Tucanos pertencentes á Força Aérea Afegã ( Afghan Air Force).

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/1Tvvrej” standard=”http://www.youtube.com/v/utGJNhrWSPg?fs=1&vq=hd720″ vars=”ytid=utGJNhrWSPg&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=1&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep7970″ /]

Fonte: Reuters

Vídeo: Sugestão Plano Brasil