Defesa & Geopolítica

Japão que deverá reforçar defesa de mísseis navais

Posted by

atago

Por Paul Kallender-Umezu

 

TÓQUIO – A provável adoção pelo Japão do sistema avançado de Controle de Fogo Naval Integrado Contra o Ar (Naval Integrated Fire Control-Counter Air – sigla em inglês: NIFC-CA) irá melhorar significativamente as suas capacidades de combate e capacidade de operar com as forças dos EUA.

“Por uma questão de proteger a vida e a propriedade das pessoas … devemos considerar a adoção da tecnologia mais recente dos EUA, como NIFC-CA”, disse Nakatani.

A revelação seguido de um comentário feito em 26 de Junho pelo primeiro-ministro Shinzo Abe, durante uma leve sessão de perguntas e respostas de que o Japão deve colocar em rede sua frota pequena mas crescente frota de mísseis cruzadores Aegis com os outros da Marinha dos EUA.

NIFC-CA é baseado na rede de Capacidade Cooperativa de Engajamento (CEC) da marinha dos EUA, que utiliza datalinks para transmitir informações sobre alvos entre as aeronaves de alerta e controle aéreo E-2D Hawkeye e navios da marinha equipados com Aegis transportando mísseis SM-6. Isso permite que os navios equipados com o Aegis possam conduzir a defesa aérea, ao mesmo tempo com as missões de defesa estratégica de mísseis balísticos (BMD).

Tal capacidade seria utilizada pelos dois cruzadores Aegis da nova classe Atago em pedido, que entrarão automaticamente com a última especificação de linha de base 9 permitindo o NIFC-CA. A Força de Auto-Defesa Marítima do Japão (JMSDF) tem atualmente seis navios Aegis.

“O NIFC-CA e a CEC são aplicativos matadores absolutamente necessárias” para a Força de Autodefesa japonesa aumentar a sua capacidade de operar em um cenário de alta ameaça envolvendo China, e fazê-lo em conjunto da maneira mais eficaz com as forças dos EUA, em especial com os Marinha dos EUA”, disse Matthew Caris, um associado do Avascent Group, um grupo de consultoria em defesa e aeroespacial com sede em Washington.

Caris disse linha de base 9 foi especialmente importante porque o Japão não tem navios suficientes para atribuir navios individualmente para uma missão BMD. Em tempo de guerra, a JMSDF pode ser esticada se as unidades-chave da frota forem retidas na missão BMD para proteger as ilhas natais.

O valor do NIFC-CA se torna mais evidente quando colocados no contexto d articulação dos EUA na região asiática, especificamente a implantação a frente do recentemente atualizado capaz de NIFC-CA o USS Chancellorsville (CG-62), anunciado pelo capitão Curt Renshaw, em 18 de Junho em uma conferência de notícias na Base Naval de Yokosuka, como o cruzador o mais poderoso no mundo.

Renshaw disse que o Chancellorsville em geral e o NIFC-CA, em particular, representa uma “enorme melhoria” que é capaz de lidar com “desafios modernos”, uma referência velada à ameaça de mísseis de cruzeiro da China. O USS Ronald Reagan, o mais novo porta-aviões da Marinha dos os EUA, chegará ao Yokosuka ainda este ano.

Corey Wallace, um analista de política de segurança na Escola de Graduação de Estudos do Leste Asiático na Freie Universität, Berlim, disse que não faria sentido para o Japão para comprar dois novos destróieres Aegis equipados com recursos atualizados CEC, o F-35A e o E-2D Advanced Hawkeye e não fazer uso de capacidades de integração de NIFC-CA.

“Mesmo que apenas para própria defesa do Japão seria um desenvolvimento significativo para o Japão comprar o sistema, e, obviamente, ele irá aumentar consideravelmente a operação e a projeção de potência regional da aliança”, disse Wallace.

O anúncio não é surpreendente, dado o tom e a linguagem da Declaração Conjunta EUA-Japão do Comitê Consultivo de Segurança, emitida por ambos os governos em 17 de Abril, que identifica a importância estratégica do Japão implantar as mais modernas e avançadas capacidades dos EUA, disse Guy Stitt, presidente da AMI Analistas Internacionais Navais & Conselheiros.

O anúncio de Nakatani também segue algumas decisões importantes e contratos, incluindo a atribuição de um contrato em Maio a Lockheed Martin para atualizar dois cruzadores de classe Atago de sua linha de base atual de 7 para linha de base 9, que indica que a atualização para o NIFC-CA, embora ainda não oficialmente anunciado, já é um negócio fechado.

“Além disso, com o compromisso do Japão para … o F-35A, e o recente contrato com a Northrop Grumman para aeronaves E-2D Advanced Hawkeye aeronave de ISR, estas soluções de sistemas alinhan-se perfeitamente para o NIFC-CA. Esta é uma contribuição significativa para a articulação dos EUA no Pacífico”, disse Stitt.

No entanto, a adoção de NIFC-CA levanta questões importantes sobre auto-defesa coletiva (CSD) questões por causa do nível de automação envolvido na rede defensiva, disse Nobuyuki Nose, um analista de defesa na Fuji TV e um dos principais especialistas japoneses em BMD.

A dieta japonesa é travada em discussões controversas sobre que tipo de restrições para aplicar à CSD. CSD em si tem, na melhor das hipóteses, um apoio tímido do público em geral. E em um grande embaraço para tentativas de Abe para empurrar através de legislação que permita o CSD, a Comissão Câmara Baixa sobre a Constituição chefiada por três juristas sêniores altamente respeitados declararam que as disposições sobre CSD como promovidas pela administração Abe são inconstitucionais.

Além disso, nos termos do parágrafo n.º 2 da Constituição Japonesa de Paz escrita pelos EUA de 1947, ir para à guerra para ajudar uma nação amiga seria uma violação do artigo 9, que proíbe a guerra como meio para resolver disputas internacionais que envolvem o estado.

“De acordo com esta definição da Constituição, é impossível para o MSDF [Maritime Self Defense Force] defender navios dos EUA antes do Japão em si ser atacado. No entanto, sistema de posicionamento automático de NIFC-CA pode requerer do MSDF para disparar. É uma pergunta muito difícil sobre a forma como o Japão está caminhando para lidar com isso”, disse Nose.

“As implicações de defesa coletiva são enormes”, disse Caris.

“Uma vez que as forças japonesas estão integradas em redes de batalha dos Estados Unidos, elas se tornam “nós” críticos de qualquer plano operacional. Comandantes norte-americanos podem começar a contar com certos números de ativos japoneses disponíveis para missões de BMD ou para servir como parte de uma força tarefa da Marinha dos EUA. Em qualquer tipo de confronto EUA / China, essas expectativas e pressões dos Estados Unidos poderiam limitar a liberdade de ação japonesa”, disse ele.

Fonte: Defense News

5 Comments

  1. Pingback: Japão que deverá reforçar defesa de mísseis navais | DFNS.net em Português

  2. ,..Isso tem nome: CHINA, e o pavor do ajuste de contas ; afinal, a China de ontem ñ é nada parecida c a de hj…bem + assertiva em sua geopolítica, daí td esse medo.Estão certos, ainda tem mt coisa p se cobrar…NB.: Qdo taiwuan for reintegrada ao continente, q o mundo e seus rivais comecem a tremer….isso lá por volta de 2035AD, p o bem ou p o mal …Quem viver verá.Sds. 😉

  3. Os japoneses compraram em 2015 dois set do sistema Aegis por US$1.5 Bilhões
    http://blog-imgs-71.fc2.com/h/o/r/horukan01/Vg9USUR.jpg
    estes 2 sistemas de combate vão ser instalados em 2 novos navios derivados da classe Atago a serem construido, os novos navios vão ser um pouco maiores que o Atago atual.
    Com estes padrão -9 os navios japoneses poderá atualizar os armamentos substituindo o SM-2 pelo novo SM-6 além de poder utilizar o novo SM-3.
    Nestes últimos anos os japoneses estão comprando vários novos equipamentos, SM-3, F-53A, MV-22, novos DDGs, veículos anfíbios, e ainda se cogita a compra de 2 novos navios de assalto anfíbios e misseis Thaad.
    Além de estarem estudando o desenvolvimento de misseis de cruzeiro.
    Os japoneses mandaram dia 10 duas aeronaves P-1 para o RIAT show aéreo na Inglaterra, elas vão participar dia 18 e 19 deste mês, eles tem esperanças de exportar o P-1 para os ingleses.

  4. cabeça de Jarro says:

    Séra um aliado americano no enfrentamento contra o dragão.

  5. Uma cooperacao de seguranca com a Russia em Hokkaido, no flanco norte, devera aliviar as pressoes na regiao e permitira que o pais reforce a defesa a uma potencial ameaca chinesa no sul, em Kyushu. Com sua nova estrategia de defesa, o governo conservador do Japao quer se firmar como aliado confiavel dos EUA, em pe de igualdade.

shared on wplocker.com